Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

MINAS GERAIS

Em MG, advogado consegue mudar o nome por ter xarás com fichas criminais

Publicado em: 23/06/2022 15:14

 (crédito: Arquivo pessoal)
crédito: Arquivo pessoal
Um advogado criminalista e professor de direito penal de Belo Horizonte (MG) conseguiu mudar seu nome, perante o Superior Tribunal de Justiça (STJ), para se diferenciar de três outros homens homônimos dele e que respondem por processos criminais.

Lucas Morais Martins adicionou o sobrenome da avó, Maiolino, ao seu nome. Ele já havia colocado o sobrenome da filha mas só entrou na Justiça para fazer a mudança quando descobriu os 'xarás'.

Ao g1, Lucas contou que acionou o Tribunal de Justiça de Minas Gerais em 2019 para acrescentar o sobrenome, no entanto perdeu na primeira e segunda instâncias. Depois, ele decidiu recorrer ao STJ e conquistou o direito. "Acabei ganhando a chance de também poder homenagear minha avó", ressaltou também.

Na decisão, o ministro Marco Aurélio Bellizze declarou que, pelo fato de Lucas ser um advogado criminal e professor universitário de direito processual penal, ter um homônimo que responda a processos criminais, mesmo que em outros estados, pode "ensejar um constrangimento capaz de configurar o justo motivo para fundamentar a inclusão do patronímico pretendido".

Os homônimos de Lucas estão localizados em vários estados. Um deles, responde a processos criminais no Rio Grande do Sul. Outros dois Lucas tem um "de" em meio aos sobrenomes e respondem a processos em São Paulo.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Nova presidente da Caixa toma posse e anuncia primeiras medidas
Manhã na Clube: entrevista com o ex-ministro e pré-candidato ao senado, Gilson Machado
Suspeito de ataque a tiros com seis mortos é detido nos EUA
Manhã na Clube: entrevistas com o pastor Wellington Carneiro e Alexandre Castelano
Grupo Diario de Pernambuco