Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

AMAZÔNIA

Dom e Bruno: o que falta ser esclarecido em crime no Amazonas?

Publicado em: 16/06/2022 21:47

 (Foto: João LAET/AFP)
Foto: João LAET/AFP
Após localizar os restos mortais do indigenista brasileiro Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips, a força-tarefa da Polícia Federal conduz as investigações para desvendar a motivação do crime e a possíveis mandantes. O material humano e o local onde os corpos foram encontrados serão periciados para descobrir os moldes das execuções e o passo a passo do crime. O pescador Amarildo da Costa Oliveira, conhecido como 'Pelado', confessou a participação no assassinato.

Na tarde desta quinta-feira (16), a corporação informou que há cinco suspeitos sob investigação. Em coletiva no dia da descoberta dos corpos, o superintendente da Polícia Federal no Amazonas, Eduardo Alexandre Fontes, informou que houve disparo de arma de fogo após o embate. Somente a perícia esclarecerá as causas das mortes.

Segundo a PF, novas prisões poderão acontecer no decorrer das investigações dos homicídios no Vale do Javari, no Oeste do Amazonas. Amarildo Oliveira está preso desde o dia 7 de junho. O irmão dele, Oseney da Costa de Oliveira, o “Dos Santos”, também foi detido. A Polícia, contudo, não explicou qual seria a participação dele no crime. Ambos são acusados de ameaça ao indigenista.

A dinâmica do crime ainda é objeto de apuração. Testemunhas relataram ter visto 'Pelado' e outros suspeitos perseguindo a lancha usada por Bruno Pereira e Dom Phillips. Os restos mortais recolhidos a três quilômetros das margens do rio serão analisados a partir desta sexta-feira (17) para confirmação das identidades por meio de análise de DNA.

"O exame de DNA trará robustez à investigação não só por identificar as vítimas, mas também para comparar com eventuais vestígios que serão encontrados nos locais. E a partir daí se monta a dinâmica do crime. Geralmente, o exame é feito com um prazo de 30 dias, mas é possível que seja concluído em até 10 dias", explica o presidente da Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF), Marcos Camargo.

Os peritos devem fazer o exame necroscópico nos corpos para tentar identificar o que provocou a morte dos dois, quantos disparos foram feitos e se eles realmente faleceram por arma de fogo.

Indícios de morte por arma de fogo

Os primeiros indícios indicam que Dom e Bruno foram mortos a tiros e tiveram os corpos carbonizados e enterrados. A PF não confirma e nem descarta relação com outros crimes na região.

Os irmãos presos são investigados pela Polícia Federal e pelo Ministério Público na autoria da morte do servidor da Funai Maxciel Pereira dos Santos, em 2019, na cidade de Tabatinga.

“A princípio, ele [Amarildo] alega que foi disparo de arma de fogo, mas temos que aguardar a perícia realmente para ela identificar qual foi a causa da morte, as circunstâncias e a motivação aliado ao que nós temos produzido e vamos produzir", afirmou o superintendente Eduardo Fontes na quarta-feira.

Nova reconstituição deverá ser feita no trajeto percorrido pelas duas vítimas. A Polícia Federal também apura a motivação e a possível existência de mandantes, uma vez que o indigenista sofria ameaças de pescadores e caçadores ilegais.

Após conclusão pericial, a PF deverá localizar o barco em local apontado por Pelado e procurar as armas usadas no crime, uma vez que testemunhas informaram que viram o principal suspeito portando uma espingarda e um cinturão de balas.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Manhã na Clube: entrevistas com o pastor Wellington Carneiro e Alexandre Castelano
Planta gigante, prima da vitória-régia, é descoberta em Londres
Manhã na Clube: entrevistas com a deputada estadual Teresa Leitão (PT) e Juliana César
Última Volta: GP da Grã Bretanha de F1 2022
Grupo Diario de Pernambuco