Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

RIO DE JANEIRO

Polícia Civil derruba monumento às vítimas da chacina do Jacarezinho

Publicado em: 12/05/2022 16:20

 (crédito: Reprodução)
crédito: Reprodução
Na tarde de ontem (11), a Polícia Civil entrou com os blindados, conhecidos como caveirões, na favela do Jacarezinho, na zona norte do Rio de Janeiro, e derrubou o monumento inaugurado na sexta-feira (6) para homenagear os mortos na Operação Exceptis, ocorrida no dia 6 de maio do ano passado LINK 1. O memorial consistia em uma parede com cerca de 1,7m de altura e 1,5m de largura, pintada de azul, onde foram fixadas placas com o nome dos 28 mortos, incluindo o policial André Leonardo de Mello Frias.

O monumento ficava em uma calçada, paralelo à rua, construída de forma a não impedir a circulação de pessoas nem de veículos. Em vídeos divulgados nas redes sociais, aparecem cerca de dez policiais, com coletes à prova de bala, retirando as placas com pés-de-cabra, e depois amarrando a construção com uma corda ao caveirão, que puxa a parede, que se quebra ao cair no chão.

Em nota, a Polícia Civil explicou a decisão de derrubar o monumento: "A Polícia Civil, por meio da 25ª DP (Engenho Novo) e da Coordenadoria de Recursos Especiais (CORE), retirou, na tarde desta quarta-feira (11/05), o memorial ilegal construído em homenagem aos 27 traficantes mortos em confronto com a Polícia Civil durante operação na comunidade do Jacarezinho, ocorrida em 6 de maio de 2021. Durante a diligência também foi realizada perícia no local e no material apreendido formalmente".
 
A polícia alega que os 27 mortos na operação tinham "passagem pela polícia" e "envolvimento comprovado com atividades criminosas" e que a construção não tinha autorização da prefeitura. Diz também que a viúva do policial não autorizou a inclusão do nome dele "junto com o nome dos traficantes".


Prefeitura
 
Procurada para responder sobre qual órgão municipal concede autorização para construção e derrubada de monumentos na cidade, a Secretaria de Ordem Pública e a Prefeitura encaminharam a solicitação para a Secretaria de Conservação, que, por sua vez, informou apenas que "desconhece essa iniciativa".

Direito à memória
 
O Observatório Cidade Integrada, que reúne organizações sociais com atuação nas favelas e um dos responsáveis pela construção do memorial, divulgou nota lembrando que a inauguração do memorial fez parte das atividades promovidas pelo observatório no Jacarezinho.

O texto reforça que as operações da chamada "guerra às drogas" fazem vítimas civis e entre os policiais nas incursões, "que só têm como foco territórios pobres e negros".

"Enquanto a violência for a única resposta do Estado às populações vulnerabilizadas, a sociedade civil continuará se articulando em prol dos direitos humanos para defender estes espaços. Entretanto, acreditamos que isso deverá ser feito através do diálogo e construção de políticas públicas em conjunto com instituições como a Defensoria Pública, como fizemos até o momento", diz o Observatório Cidade Integrada.

O diretor da Federação de Favelas do Rio de Janeiro (Faferj), Derê Gomes, disse que o memorial foi criado para acolher as famílias das vítimas da operação. Para ele, a ação policial de ontem foi arbitrária e ilegal, já que não houve nenhuma manifestação judicial a respeito da construção.

"A gente entende isso como um ataque, não só à memória dessas pessoas, mas um ataque aos familiares dessas pessoas, um ataque às favelas", disse.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Ataque a tiros em escola nos EUA deixa 21 mortos
Para OMS, varíola do macaco ainda pode ser contida
Manhã na Clube: Henrique Queiroz Filho (PP), Edno Melo (Republicanos) e André Morais (CORECON-PE)
Soldado russo condenado à prisão perpétua por matar civil na Ucrânia
Grupo Diario de Pernambuco