Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

YANOMAMIS

PF afirma não ter indícios de crime contra yanomamis; investigações seguem

Publicado em: 06/05/2022 19:44

 (Foto: Polícia Federal/RR)
Foto: Polícia Federal/RR
Em entrevista coletiva ocorrida na manhã desta sexta-feira (6), o delegado da Polícia Federal Daniel Pinheiro Leite afirmou que as denúncias dos yanomamis sobre o estupro seguido de morte de uma menina indígena, ocorrido na semana passada em Roraima “originaram de um vídeo institucional de uma ONG”.

Segundo Pinheiro, as imagens foram repassadas de um indígena da aldeia para outro e, no fim das contas, “a partir dos elementos que tinha, que membros de sua comunidade teriam sido vítimas da violência apresentada no vídeo” e feito a denúncia para a Júnior Hekurari Yanomami, presidente do Conselho Distrital de Saúde Indígena Yanomami e Ye'kwana (Condisi-YY), que posteriormente acionou as autoridades.

Pela conclusão da PF, está comprovado que a denúncia não condiz com os fatos, mas continuarão investigando. “As diligências da área yanomami foram realizadas com a mesma presteza e responsabilidade com que são apuradas quaisquer denúncias encaminhadas à corporação”, escreveram.

Sobre o sumiço dos indígenas, a PF também constatou que nove moram no local e seis foram interrogados presencialmente. Outros três foram encaminhados para Boa Vista (RR) para tratamento de saúde.

A corporação ainda informou que destruiu toda infraestrutura de garimpo ilegal na região, e que as informações foram divulgadas em “caráter excepcional” haja vista o interesse da sociedade sobre o tema.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Manhã na Clube: entrevista com Raquel Lyra (PSDB)
Casamento de Lula e Janja: celulares barrados na entrada
Soldado russo se declara culpado por crime de guerra na Ucrânia
Manhã na Clube: entrevista com Maria Zilá Passo, advogada especialista em direito da saúde
Grupo Diario de Pernambuco