Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

AMAPÁ

No Amapá, jovem leva choque de peixe-elétrico e tem metade do corpo paralisada

Publicado em: 04/05/2022 14:10 | Atualizado em: 04/05/2022 14:14

 (crédito: Twitter/ reprodução)
crédito: Twitter/ reprodução
Um jovem de 18 anos ficou com parte do corpo paralisado após ser atacado por um poraquê, uma das espécies de peixe-elétrico da Amazônia, no Amapá. Lucas Rocha Oliveira foi atacado em um rua alagada pelas fortes chuvas que atingem a região em Laranjal do Jari, na sexta-feira (29). 

Lucas foi internado no Hospital Estadual de Laranjal do Jari e encaminhado, nesta terça-feira (3), para atendimento neurológico no Hospital de Emergências da capital Macapá. Apesar de estar com quadro estável, segundo a unidade de saúde, o jovem apresenta uma condição chamada hemiplegia, uma paralisia cerebral que atinge um lado do corpo. 

Peixe-elétrico 
O poraquê pode chegar a ter 2,5 metros de comprimento e pode atingir uma tensão de 650 a 860 volts.

Em 2019, duas novas espécies do animal foram descobertas no Brasil. Uma delas têm a capacidade de atingir 860 volts, a maior voltagem já registrada em um animal.

Apesar da alta voltagem, o peixe não é letal para o ser humano, a não ser que ataque em bando. Isso porque, a espécie não gera correntes contínuas, como uma tomada.

Chuvas 
 
Laranjal do Jari decretou situação de emergência devido às fortes chuvas que atingem o município. No fim de abril, o Governo Federal, por meio do Ministério da Cidadania e da Secretaria Nacional de Assistência Social visitou os municípios atingidos pelos efeitos das fortes chuvas que atingiu o Amapá nos últimos dias e que causou a cheia do Rio Jari.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Fechamento de escolas durante pandemia pode gerar prejuízos por décadas no Brasil
Manhã na Clube: entrevistas com Bruno Rodrigues e Débora Almeida
Manhã na Clube: entrevista com a dra. Tamara Cristina, endocrinologista
Refugiados ucranianos no Brasil: mais de 10 mil quilômetros longe de casa
Grupo Diario de Pernambuco