Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

SAÚDE

Combate à malária terá reforço do sistema de vigilância de cobertura do país

Publicado em: 11/05/2022 15:51

 (crédito: Portal Biologia/ divulgação)
crédito: Portal Biologia/ divulgação
Em 2020, a frequência de casos de malária no país cresceu, chegando a 140 milhões de casos autóctones — quando a infecção é adquirida dentro do país —, e 627 mil óbitos, 12% a mais do que em 2019. Por isso, o Ministério da Saúde investiu R$ 21 milhões especificamente para prevenção e controle da doença por meio do Plano Nacional de Eliminação da doença no Brasil, lanlado nesta quarta-feira (11). A meta é zerar as mortes pela doença até 2030 e erradicar casos autóctones até 2035.

Uma alta porcentagem de transmissão da malária, 99,9% de acordo com o ministério, se concentra na região amazônica, localizada em grande parte no Norte. Portanto, o valor enviado pelo governo federal foi direcionado para insumos estratégicos para diagnóstico, tratamento, controle do vetor e capacitações de profissionais. Além disso, parte do investimento foi para o Projeto Apoiadores da Malária, que realiza o apoio técnico nos estados e municípios.

Sobre a identificação da malária em locais que não são comuns o aparecimento da doença, o secretário da Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde e coordenador do plano, Arnaldo Medeiros, explicou que o monitoramento é um dos primeiros passos para combater a doença. Para isso, a pasta possui um sistema de vigilância que cobre todo o país e, com o plano, deve ser reforçado.

Ações coordenadas
 
“Nós temos um sistema de vigilância que identifica casos em todo o país. Aí está a grande importância de ter um sistema coordenado e forte no país inteiro, porque se, por acaso, tivermos algum caso de malária em uma região do nosso país na qual ela não é endêmica, onde não temos com frequência aqueles casos de malária, nós temos uma vigilância capaz de detectar esse caso e podemos buscar a resolução necessária para o tratamento e diagnóstico de maneira mais rápida”, ressaltou.

“Normalmente quando temos algum surto de qualquer doença, nesse caso a malária, nós prontamente mandamos uma equipe de epidemiologista de campo para fazer toda uma análise do processo e tomar todas as respostas e medidas e tomar o plano de ação de resposta mais rápido possível”, complementou Medeiros.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Manhã na Clube: entrevista com a dra. Tamara Cristina, endocrinologista
Refugiados ucranianos no Brasil: mais de 10 mil quilômetros longe de casa
Manhã na Clube: entrevista com Miguel Coelho
Manhã na Clube: entrevista com dr. Antônio Manuel de Almeida Dias, presidente da CESPU Europa
Grupo Diario de Pernambuco