Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

PESQUISA

Percepção negativa sobre a própria saúde cresce 91,8% na pandemia

Publicado em: 27/04/2022 21:57

 (Foto: SILVIO AVILA / AFP)
Foto: SILVIO AVILA / AFP
Uma pesquisa inédita que avalia os impactos negativos da pandemia da Covid-19 na saúde da população brasileira revelou que, entre o período pré-pandemia e o 1º trimestre de 2022, foi registrado um aumento de 91,8% na percepção negativa dos brasileiros sobre a própria saúde. A queda na qualidade da própria saúde está diretamente relacionada com outros pontos expostos pela estudo como a queda do consumo de legumes e verduras, redução da prática de atividade física e o aumento do diagnóstico da depressão. 

Os dados são do Covitel — Inquérito Telefônico de Fatores de Risco para Doenças Crônicas Não Transmissíveis em Tempos de Pandemia — que ouviu 9 mil brasileiros, de capitais e cidades do interior das cinco regiões do Brasil, por entrevistas feitas por telefone (fixo e celular). 

O professor titular da Escola Superior de Educação Física da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e um dos coordenadores da pesquisa, Pedro Hallal, pontuou a importância do estudo. "O Covitel mostrou que a pandemia atrapalhou o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis no Brasil, aumentando alguns comportamentos de risco, como a inatividade física”, afirmou.  

Enquanto o consumo de legumes e verduras caiu 12,5% entre os períodos avaliados, a proporção de pessoas que praticam atividade física, de acordo com o que recomenda a Organização Mundial da Saúde (OMS), caiu 21,4% entre o período pré-pandêmico e o primeiro trimestre deste ano. A parcela de pessoas que consideram fisicamente ativas passou de 38,6% para 30,3%.

Os que mais reduziram a prática de atividades físicas neste período foram os brasileiros que perderam o emprego (redução de 39%), pessoas com mais de 65 anos (-32,7%), com menor escolaridade (30%), e as mulheres (-27%). Em outra análise, foi possível observar que o consumo de legumes e verduras caiu 12,5% na população em geral. O de frutas também diminuiu.

No entanto, quem mais sofreu com as mudanças dos hábitos alimentares foram aqueles menos escolarizados, pretos e pardos e aqueles que perderam o emprego.

“O resumo de tudo que a gente observou é que a pandemia acirrou ainda mais as desigualdades. Sempre Norte e Nordeste estão em piores situações do que Sul e Sudeste. Pessoas de menor escolaridade estão sempre também muito prejudicadas”, avaliou Luciana.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Fechamento de escolas durante pandemia pode gerar prejuízos por décadas no Brasil
Manhã na Clube: entrevistas com Bruno Rodrigues e Débora Almeida
Manhã na Clube: entrevista com a dra. Tamara Cristina, endocrinologista
Refugiados ucranianos no Brasil: mais de 10 mil quilômetros longe de casa
Grupo Diario de Pernambuco