Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

PANDEMIA

Doria diz que São Paulo vai vacinar crianças mesmo sem aval de ministério

Publicado em: 28/12/2021 16:00

 (Fotos: Richardson Martins/Secretaria de Saúde do Recife
)
Fotos: Richardson Martins/Secretaria de Saúde do Recife
O governador de São Paulo e pré-candidato à Presidência, João Doria (PSDB), afirmou que o plano do estado é iniciar a vacinação da faixa etária de 5 a 11 anos o mais rápido possível, mesmo sem aprovação do Ministério da Saúde.  
 
Desde o ínicio da pandemia, Doria trava batalhas com o governo de Jair Bolsonaro (PL) devido a vacinação. O tucano é a favor da imunização de todos os brasileiros, enquanto Bolsonaro chefia uma campanha antivacina, desincentivando a aplicação de doses.

De acordo com Doria, quando o assunto é vacina, a questão não é de "formalização", mas de proteção à população. Ele afirmou que mesmo sem o sinal verde do ministério, confia que o governo paulista terá as vacinas para iniciar a imunização das crianças logo no início de janeiro.
 
"São Paulo vai fazer todos os esforços possíveis para aquisição da vacina para as crianças", declarou o governador.
Vacinação de crianças
 
A vacinação de crianças de 5 a 11 anos virou foco dos debates políticos depois que funcionários da Anvisa sofreram ataques após recomendarem a vacinação. As agressões foram feitas por apoiadores do presidente.

No Brasil, 301 crianças morreram em decorrência da doença desde a chegada do coronavírus até o dia 6 de dezembro, o que, em 21 meses de pandemia, significa 14,3 mortes por mês, ou uma a cada dois dias.
 
A venda, distribuição e disponibilização da vacina Pfizer contra a Covid-19 para crianças de 5 a 11 anos foram autorizadas pela Anvisa há uma semana. Por isso, o Ministério da Saúde desenvolveu uma consulta pública para que, segundo eles, pais e responsáveis opinassem sobre o assunto.
 
A consulta entrou no ar na noite de quinta-feira (23) e, poucas horas depois, já apresentava problemas. Internautas nas redes sociais acusam o ministério de ter formulado as perguntas seguindo o princípio defendido pelo presidente Bolsonaro de não obrigatoriedade da imunização.
 
Uma decisão final só será tomada pela pasta no dia 5 de janeiro, após o término da consulta pública que está disponível para participação da população em geral, sendo pessoas físicas ou jurídicas.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
OMS: é possível encerrar fase aguda da pandemia este ano
Manhã na Clube: entrevistas com Carlos Veras (PT), Frederico Menezes e Marlon Malassa
Zuri: 11 anos, multiinstrumentista, compositor e prodígio da música faz campanha para comprar violão
Bolsonaro cancela visita à Guiana devido à morte de sua mãe
Grupo Diario de Pernambuco