Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

INVESTIGAÇÃO

Polícia Federal pede prisão do Padre Robson, do Santuário Divino Pai Eterno

Publicado em: 19/11/2021 14:30

 (crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)
crédito: Ed Alves/CB/D.A Press
A Polícia Federal entrou com um pedido de prisão contra  o padre Robson de Oliveira, investigado por desviar R$ 100 milhões doados pelos fiéis, dinheiro que deveria ter sido usado para a construção da nova Basílica de Trindade (GO). O pleito dos investigadores deverá ser julgado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) até segunda-feira (22). 

Ao Correio, o advogado do religioso, Cléber Lopes se disse surpreso com o pedido de prisão dos investigadores, uma vez que os fatos reportados no pedido de prisão são de 2019, não havendo nenhuma novidade que justifique o pedido de prisão. “Pela experiência que temos, o STJ vai indeferir esse pedido, tanto que não estamos, nem sequer, preparando o Habeas Corpus preventivo. Confiamos no senso de justiça do STJ. Mas, caso sejamos surpreendidos com o deferimento da medida, entraremos com habeas corpus no Superior Tribunal Federal (STF)”, antecipou. 

Relembre o caso
 
O Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) investiga o padre Robson desde 2019, quando apurou irregularidades nas contas da Associação dos Filhos do Divino Pai Eterno (Afipe) Afipe, então presidida pelo sacerdote. Durante a apuração, o MP descobriu que o padre teria criado associações para desviar mais de R milhões da instituição para comprar fazendas, casas de praia e até um avião.

Foram encontrados, ainda, áudios em que o padre tratava de pagamento de propina no valor de R$ 1,5 milhão a desembargadores do Tribunal de Justiça de Goiás para receber decisão favorável em um processo envolvendo uma fazenda comprada pela Afipe. Após isso, o processo foi encaminhado para o STJ.

Operação Vendilhões
 
A Operação Vendilhões teve início após o religioso denunciar que estava sendo vítima de extorsão após hackers terem descoberto um suposto relacionamento amoroso dele. Ao todo, o religioso teria desembolsado R,9 milhões para os chantagistas, dinheiro que, segundo o MPGO, saiu dos cofres da Afipe. 

Com a operação, cinco possíveis crimes foram investigados: apropriação indébita, falsificação de documentos, organização criminosa, lavagem de dinheiro e sonegação fiscal. Foram cumpridos mandados de busca e apreensão em endereços diferentes, todos ligados ao sacerdote. Apesar disso, o processo foi bloqueado pela justiça.  
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevista com o deputado estadual Eriberto Medeiros (PP), presidente da Alepe
Unicap continua com as inscrições abertas para Vestibular 2022
Bruno Becker, da chapa Náutico Sustentável, divulga projetos para o Timbu
Manhã na Clube: entrevista com o deputado estadual Romero Sales Filho (PTB)
Grupo Diario de Pernambuco