Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

VACINAÇÃO

Terceira dose será prioritariamente com imunizante da Pfizer, diz Queiroga

Publicado em: 08/09/2021 18:34

 (Foto: Tony Winston/MS)
Foto: Tony Winston/MS
O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta quarta-feira (8), que a terceira dose da vacina contra a Covid-19 será preferencialmente com o imunizante americano da Pfizer. Segundo o ministro, a pasta não vai recomendar o uso da CoronaVac para a aplicação da dose de reforço.

“Essa terceira dose é a da Pfizer. Primeiro, porque os esquemas com vacinas diferentes geralmente usam a vacina da Pfizer ou da AstraZeneca como os imunizantes preferenciais. E segundo porque nós temos quantitativos elevados da Pfizer, o que permite assegurar que não haverá interrupção na nossa campanha de imunização”, confirmou Queiroga durante audiência da Comissão Temporária da Covid-19 do Senado.

Queiroga confirmou que a aplicação da terceira dose começa no dia 15 de setembro, próxima quarta-feira, para idosos acima de 70 anos e pessoas em estado de imunossupressão, seguindo o Plano Nacional de Imunização (PNI).

Na última semana, o ministro já havia anunciado que não recomendaria o uso da CoronaVac para a terceira dose enquanto não houvesse o registro definitivo do imunizante pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Por enquanto, as vacinas da Pfizer e da AstraZeneca são as únicas com esse tipo de autorização do órgão regulador brasileiro.

Respeito ao PNI
Durante a Comissão, o ministro voltou a pedir que os estados e municípios sigam as orientações federais sobre a aplicação das vacinas contra Covid-19 e criticou aqueles que seguem ritmos de imunização diferentes do previsto pela pasta. Segundo ele, e cada cidade fizer o próprio plano, o ministério não consegue garantir a entrega dos imunizantes.

"O que ocorre é que alguns municípios, sobretudo os maiores da Federação, ficam criando esquemas diferentes e depois dizem que o Ministério da Saúde não entrega doses, atrasa as doses. O Ministério da Saúde só entra com o ônus o tempo inteiro", comentou Queiroga. "Temos que falar a mesma língua, não pode ser a Torre de Babel da vacina".

Estados como São Paulo já iniciaram a aplicação da dose de reforço nesta semana. Segundo a Secretaria de Saúde do estado, das doses adicionais aplicadas, 99,2% foram de CoronaVac.

Estoque vencido
Na última segunda-feira (6), uma reportagem do jornal Folha de S.Paulo, revelou que o governo Bolsonaro deixou vencer R$ 243 milhões em vacinas, testes e remédios do novo coronavírus. Sobre o fato, Queiroga afirmou ser um 'problema', mas negou que tenha havido negligência.

"Em relação a insumos vencidos, realmente esse é um problema. Esses insumos, não é que o ministério deixa vencer por negligência. É porque se compra em quantidade, há insumos aí que foram adquiridos em governos, dois governos anteriores ao governo do presidente Bolsonaro, e não foram distribuídos", declarou.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
As mães em plena pandemia: casal paulista adota cinco irmãos de Serra Talhada
Bolsonaro aumenta IOF para custear novo Bolsa Família
Surto de Covid-19 obriga Presidente da Rússia a ficar em isolamento
Manhã na Clube: entrevistas com o deputado Eduardo da Fonte (PP), Elias Paim e Diego Martins
Grupo Diario de Pernambuco