Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

OPERAÇÃO CAPTIS

Organização criminosa que praticava golpe do motoboy é presa após três anos

Publicado em: 03/09/2021 08:25

 (Foto: Divulgação/PCDF
)
Foto: Divulgação/PCDF
A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), deflagrou a Operação Captis, cumprindo mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão no Distrito Federal e no Estado de São Paulo, na manhã de quinta-feira (2/9), por meio da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (DECOR). De acordo com a polícia, a organização criminosa praticava crimes de estelionato e lavagem de dinheiro, aplicando o chamado golpe do motoboy. O grupo atuava em território nacional.

Com a deflagração da operação, foram sequestrados cerca de 80 veículos de luxo, de marcas como Porsche, Mercedes-Benz e BMW, e imóveis dos investigados. Durante as buscas, também foram apreendidos R$ 580 mil em espécie, artigos de luxo e objetos destinados à prova das práticas criminosas, como cartões bancários e chips de aparelhos de telefonia móvel.

A megaoperação contou com 130 policiais e ocorreu simultaneamente no Distrito Federal, São Paulo e Guarujá, para onde foram enviadas várias equipes do DECOR. A patrulha recebeu reforço da Polícia Civil do Estado de São Paulo. No total foram cumpridos 4 mandados de prisão temporária e 21 mandados de busca, além da prisão em flagrante de um dos suspeitos pelo crime de posse ilegal de arma de fogo.

Ainda no ano de 2018 a PCDF deflagrou a primeira fase da Operação Lothur, voltada a desarticular o grupo criminoso que atuava no DF aplicando golpe do motoboy. Os estelionatários se passavam por funcionários de instituições bancárias e informavam supostas fraudes nos cartões das vítimas, sobretudo de pessoas idosas. Eles ofereciam o serviço de motoboy para buscar o cartão da vítima nas residências. A partir disso, os criminosos retiravam dinheiro das contas das vítimas e efetuavam compras em grandes atacadistas, em especial de aparelhos eletrônicos, televisores e smartphones.

Na época, foram indiciados 12 membros que executavam os golpes em Brasília, exercendo a função de efetuar os saques e fazer compras com os cartões entregues pelas vítimas aos motoboys. Porém, a polícia não conseguiu identificar quem fazia as chamadas telefônicas.

As investigações continuaram e a PCDF identificou o grupo criminoso que coordenava a ação dos estelionatários do Distrito Federal, assim como em diversos outros espalhados por todo o país. A base criminosa era na cidade de São Paulo e além de ser responsável pela central telefônica, também detinha o controle de toda a movimentação financeira praticando o crime de lavagem de dinheiro.

Em 2018, eles frequentavam um pequeno lava-jato na capital paulista. Em dois anos, o grupo detinha uma rede de lojas de carros de luxo com faturamento de quase R$ 14 milhões.
TAGS: golpes | crime | pcdf |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Após erupção do vulcão Cumbre Vieja, especialistas temem gases tóxicos
Manhã na Clube: Lucas Ramos (Sec. de Ciência e Inovação de Pernambuco) e dr. Catarina Ventura
Na ONU, Bolsonaro diz ser contra passaporte sanitário
Manhã na Clube: Augusto Coutinho, Laurice Siqueira, Frederico Preuss Duarte e Kaio Maniçoba
Grupo Diario de Pernambuco