Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

DIREITOS HUMANOS

ONU: Michelle Bachelet alerta sobre conduta do governo brasileiro com indígenas

Publicado em: 13/09/2021 17:20

 (crédito: FABRICE COFFRINI)
crédito: FABRICE COFFRINI
Durante a abertura da sessão do Conselho de Direitos Humanos, nesta segunda-feira (13), a alta comissária para direitos humanos das Nações Unidas e ex-presidente chilena, Michelle Bachelet, chamou a atenção para as ameaças às populações indígenas e aos ativistas no Brasil e descreveu um cenário de “séria preocupação”. O país foi mencionado mais uma vez entre os 40 onde o respeito aos direitos humanos é “preocupante”.

Depois de ocorrerem no Brasil manifestações indígenas contra a tese do marco temporal, que considera terras indígenas apenas as tradicionalmente ocupadas pelos índios na data da promulgação da Constituição Federal de 1988, em outubro daquele ano, autoridades internacionais começaram a voltar as atenções para os riscos que os direitos da população indígena correm no país.

"No Brasil, estou alarmada com os recentes ataques contra membros dos povos yanomami e munduruku por mineradores ilegais na Amazônia. As tentativas de legalizar a entrada de empresas em territórios indígenas e limitar a demarcação de terras indígenas — notadamente por meio de um projeto de lei que está em análise na Câmara dos Deputados — também são motivo de séria preocupação", disse a ex-presidente chilena.

O projeto de lei está sendo julgado pelo Supremo Tribunal Federal e as discussões serão retomadas nesta quarta-feira (15).

Pedido de providências
 
A comissária fez um pedido para que autoridades brasileiras tomem providências acerca do assunto. “Faço um apelo para que as autoridades revertam políticas que afetem negativamente os povos indígenas e não se retirem da Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), a Convenção Indígena”, disse Bachelet.

Na fala, ela faz menção à ameaça do governo brasileiro de deixar o pacto, vigente no Brasil desde 2004, que trata dos direitos dos povos indígenas, garantindo a autodeterminação e detalhando termos para a proteção de direitos e territórios, por exemplo. O documento foi assinado por 23 países e é um dos principais norteadores internacionais do tema.

As autoridades brasileiras terão o direito de resposta a partir desta terça-feira (14). Além disso, o presidente Jair Bolsonaro fará pronunciamento na abertura da sessão anual da Assembleia Geral em Nova York, que ocorre na semana que vem.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Após erupção do vulcão Cumbre Vieja, especialistas temem gases tóxicos
Manhã na Clube: Lucas Ramos (Sec. de Ciência e Inovação de Pernambuco) e dr. Catarina Ventura
Na ONU, Bolsonaro diz ser contra passaporte sanitário
Manhã na Clube: Augusto Coutinho, Laurice Siqueira, Frederico Preuss Duarte e Kaio Maniçoba
Grupo Diario de Pernambuco