Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

MARCO TEMPORAL

Indígenas se tornam influencers para lutar pelo reconhecimento das terras

Publicado em: 02/09/2021 15:43

 (crédito: Reprodução/Instagram)
crédito: Reprodução/Instagram
Há quem critique o uso de celular pelos indígenas como se eles não tivessem direito à tecnologia por serem os povos que primeiro habitaram as terras brasileiras. No entanto, eles não só têm o direito de fazer uso dessas ferramentas como as incorporaram à maneira como se manifestam.

A visibilidade mundial trazida pelas redes é no que aposta o artista Edivan Fulni-ô, que usou o Tik Tok para reforçar os protestos contra o Marco Temporal. A proposta de mudança no marco legal de reconhecimento das terras indígenas teve o julgamento retomado no Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quinta-feira (02).

A proposta, que estabelece o direito às terras indígenas para quem passou a ocupá-las somente depois da Constituição de 1988, entrou na pauta do Judiciário depois da ação de reintegração de posse apresentada pelo governo de Santa Catarina contra o povo Xokleng, relacionada Terra Indígena (TI) Ibirama-Laklãnõ.

Nos versos da canção que Edivan Fulni-ô compôs no Acampamento Lu pela vida, ele denuncia a exploração das terras indígenas desde a época da colonização até a atualidade com a monocultura de soja e a mineração. O vídeo mostra Edivan em um passeio pelo acampamento e cumprimentando outros manifestantes.

Na era digital, os povos indígenas ingressaram nas redes sociais para divulgar a cultura e interagir com a sociedade. A tecnologia se tornou essencial no processo de resistência dos povos originários. Muitos indígenas têm utilizado das redes sociais para divulgar os atos de resistência contra o Marco Temporal e defender que a história teve início muito antes de 1500, quando chegaram os colonizadores. Além do Tik Tok há postagens no Instagram, YouTube e Twitter, com direito à convocação de "tuitaço" para mobilização e visibilidade da causa.

A líder indígena Sonia Guajajara, ex-candidata do PSOL à Vice-Presidência da República em 2018, mantém contas no Twitter e Intagram muito ativas, mostrando o dia a dia da luta no planalto, informando o andamento do julgamento e valorizando sua cultura.

Além disso é Coordenadora-executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) cuja página no Instagram reúne postagens próprias, divulga vídeos de pronunciamentos daqueles que não possuem conta própria e reposta postagens de outras contas, dando voz à diversos povos exaltando a diversidade deles.

Exaltando a importância dos povos indígenas na cobertura dos acontecimentos no Planalto ,o fotógrafo e cineasta ambiental Kamikia Kisedje, registrou imagens que viralizaram. "Vivemos tempos de muita luta e hoje ela é registrada por nós, comunicadores indígenas. Fizemos uma cobertura magnífica, organizada e colaborativa. Conseguimos captar não só imagem de protestos, mas a força de uma luta ancestral. Seguimos mais juntos e mais fortes".

Outras páginas que estão realizando o registro e divulgação das ações contra a PL 490 em Brasília são a Deriva Jornalismo e Fotografia e a Casa Ninja Amazonia com foco na cobertura fotográfica dos acontecimentos.

Contas particulares também se juntam às vozes das páginas mais conhecidas. A ativista e professora Ingrid Sateré Mawé, a comunicadora Lidia Guajajara e a ativista Samela Awia colocam as contas no Instagram para dar visibilidade às lideanças indígenas. Também divulgam eventos e movimentos como o tuitaço, a Marcha das Mulheres Indígenas e a campanha Luta pela Vida inclusive registros do acampamento de mesmo nome. Kaê Guajajara fez uma releitura da música “Mulheres Negras” de Yzalu contanto a realidade e luta das mulheres indígenas e publicou na plataforma Tik Tok.

Yaa Cruz, que esteve nas manifestações em Brasília, posta mensagens de força. "Povos indígenas. Vivos , fortes, resistentes , presentes, …hoje e sempre!". E mais: "lutando, para que o resto do mundo continue respirando". Mesmo quando teve que deixar a capital postou um vídeo pedindo ajuda contra o estabelecimento do Marco Temporal.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Após erupção do vulcão Cumbre Vieja, especialistas temem gases tóxicos
Manhã na Clube: Lucas Ramos (Sec. de Ciência e Inovação de Pernambuco) e dr. Catarina Ventura
Na ONU, Bolsonaro diz ser contra passaporte sanitário
Manhã na Clube: Augusto Coutinho, Laurice Siqueira, Frederico Preuss Duarte e Kaio Maniçoba
Grupo Diario de Pernambuco