Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

PROTESTO

Clima de tensão na Esplanada impede Marcha de Mulheres Indígenas

Publicado em: 09/09/2021 12:59

 (Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil)
Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil
A Segunda Marcha das Mulheres Indígenas que aconteceria nesta quinta-feira (9/9) foi cancelada devido à tensão presente em Brasília por conta das manifestações do Sete de Setembro. A presença de manifestantes bolsonaristas na Esplanada gerou insegurança na realização do movimento até a Esplanada dos Ministérios.

Sem a marcha, o grupo realiza atividades e debates entre as mais de 5 mil pessoas de 172 povos presentes no acampamento. O grupo acompanha também a votação do Marco Temporal, pelo Supremo Tribunal Federal (STF). 

A primeira marcha foi realizada em 2019 como uma forma de luta contra a retirada de direitos e políticas “anti-indígenas” do governo federal. Por conta da pandemia, as mulheres indígenas não marcharam em 2020.

Além do combate à chamada “política anti-indígena” do governo Bolsonaro e a retirada de direitos dos povos originários, a Marcha das Mulheres Indígenas trata também de assuntos ligados à causa feminina. Debates e troca de vivências sobre a luta das mulheres e processos de violência sofridos por mulheres indígenas também são parte do movimento.

O cancelamento da marcha fez com que setores da oposição ao governo se posicionassem via redes sociais. Pelo Twitter, a deputada federal Talíria Petrone (PSOL-RJ) lamentou a suspensão do protesto e criticou manifestantes bolsonaristas. 
 

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
As mães em plena pandemia: casal paulista adota cinco irmãos de Serra Talhada
Bolsonaro aumenta IOF para custear novo Bolsa Família
Surto de Covid-19 obriga Presidente da Rússia a ficar em isolamento
Manhã na Clube: entrevistas com o deputado Eduardo da Fonte (PP), Elias Paim e Diego Martins
Grupo Diario de Pernambuco