Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

MARCO TEMPORAL

Após STF adiar julgamento, cinco mil indígenas desmontam barracas na Esplanada

Publicado em: 29/08/2021 11:18

 (Foto: CARL DE SOUZA)
Foto: CARL DE SOUZA
Após o adiamento do julgamento do marco temporal em demarcações de terras indígenas ser adiado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para esta semana, o acampamento formado por membros de etnias de todo o país, na Esplanada dos Ministérios, começou a ser desmontado ontem. Em seu ápice, a mobilização chegou a reunir mais de seis mil indígenas. Ontem, pelo menos cinco mil arrumaram as malas e partiram de volta para a terra de origem, restando apenas cerca de mil na capital.

As lideranças querem manter a mobilização em Brasília pelo menos até 1º de setembro, quando se espera a retomada do julgamento no Supremo. Mas os recursos financeiros e a alimentação têm sido o grande empecilho, o que levou milhares de indígenas embora. Os que restaram ficarão concentrados, agora, nos arredores do Complexo Cultural Funarte, no Eixo Monumental.

No acampamento, ontem, indígenas carregavam pedaços de madeira e levavam pertences para caminhões de mudança. Por volta das 16h, grande parte das barracas e tendas já havia sido desmontada. Em uma espécie de corredor central, um indígena portava um microfone de lapela. Enquanto um colega segurava um smartphone, o primeiro fazia um apelo, em vídeo, por doações de alimentos.

Ajuda

Kerexu Yxapyry, liderança do povo Mbya-Guarani de Santa Catarina, explicou que os organizadores esperavam que o julgamento no STF ocorresse na última semana. Com a postergação, foi necessário encontrar novas formas de manter o acampamento. Segundo ela, o acordo com o governo de Brasília foi para que os indígenas permanecessem ao lado do Teatro Nacional até este fim de semana. Por isso, há a necessidade de mudança para um outro espaço.

“Ontem (sexta-feira) conversamos com o pessoal responsável por esses espaços e a gente conseguiu a permanência até 1º de setembro no espaço da Funarte”, explicou. Ela também detalhou que a maioria dos indígenas foi embora ontem. “Do meu povo, vieram 600 pessoas. A maioria está indo embora e nós ficaremos com 150 pessoas”.

Além disso, a falta de alimentos — já que o movimento depende de doações — foi o principal motivo da retirada. “Muitas pessoas trabalham, muitos precisam se manter aqui também com alimentação, muitos têm família em casa e muitas pessoas moram longe, precisam fazer viagem de semanas. Esse é o motivo principal, a questão da alimentação. A gente está fazendo mobilizações, estamos fazendo vaquinhas entre amigos e apoiadores para nos mantermos aqui ”, disse.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
As mães em plena pandemia: casal paulista adota cinco irmãos de Serra Talhada
Bolsonaro aumenta IOF para custear novo Bolsa Família
Surto de Covid-19 obriga Presidente da Rússia a ficar em isolamento
Manhã na Clube: entrevistas com o deputado Eduardo da Fonte (PP), Elias Paim e Diego Martins
Grupo Diario de Pernambuco