Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

VACINAÇÃO

Ministério da Saúde vai estudar intercambialidade de vacinas

Publicado em: 08/07/2021 15:16

 (crédito: Sweden OUT / AFP)
crédito: Sweden OUT / AFP
O Ministério da Saúde vai patrocinar uma pesquisa para estudar a intercambialidade de doses das vacinas contra a Covid-19, ou seja, a aplicação da primeira dose da vacina de determinada marca e a aplicação da segunda dose de outro imunizante diferente. A informação foi dada pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, nesta quinta-feira (8), durante coletiva de imprensa sobre vacinação de grávidas e puérperas.

“Hoje mesmo foi aprovada uma pesquisa que o Ministério da Saúde vai patrocinar para estudar a intercambialidade de doses, e essas respostas nós teremos”, disse o cardiologista. Queiroga afirmou que alguns estudos já estão sendo realizados, mas, segundo ele, ainda faltam “evidências mais consistentes” para a adoção dessa medida como estratégia de saúde pública.

“Há motivos que são razoáveis para uma estratégia de intercambialidade, mas, no momento, ainda faltam evidências mais consistentes para avançarmos nesse sentido. É um processo dinâmico que vai sendo construído”, indicou.

Segundo ele, uma das razões que pode fazer com que o ministério adote a estratégia de aplicar doses de diferentes vacinas é aumentar a eficácia da proteção contra o novo coronavírus. Além disso, se comprovada a segurança da medida, seria possível usar duas marcas de imunizantes em situações onde há falta de uma determinada dose.

Grávidas
 
O tema foi citado pelo ministro durante a coletiva de imprensa que abordou a vacinação em grávidas e puérperas sem comorbidades. Segundo a recomendação do ministério, as grávidas já vacinadas com a primeira dose da vacina da AstraZeneca devem esperar para tomar a segunda dose após o puerpério e, com isso, completar o esquema vacinal. Estas mulheres não devem tomar a segunda dose de outras vacinas, como esta sendo indicado em alguns estados.

Segundo Queiroga, essa intercambialidade de vacinas não é segura para o grupo de mulheres grávidas e puérperas. “Não há evidência científica acerca de intercambialidade de vacinas em gestantes. Portanto, vamos manter a orientação do Programa Nacional de Imunização (PNI)”, disse.

No estado do Rio de Janeiro, as gestantes e mulheres que tiveram bebês há até 45 dias, que têm comorbidades e tomaram a primeira dose da vacina da AstraZeneca, poderão completar o esquema vacinal com a segunda dose da Pfizer.

Queiroga pediu para que os secretários municipais e estaduais de Saúde não modifiquem as orientações do PNI “por conta própria”. “É claro que secretários estaduais e municipais têm sua autonomia, mas não para mudar o cerne do que foi discutido na política tripartite”, afirmou.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Homem com granada mobiliza polícia de Kiev
Manhã na Clube: entrevistas com Eduardo Leite (PSDB),  Sérgio Montenegro e Joaquim Francisco
Bolsonaro investigado: Não aceitarei intimidação
Manhã na Clube: entrevistas com prefeito João Neto (PL), dra Tamires Sales e advogado Rômulo Saraiva
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco