Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

DESPEDIDAS

Tomás, filho de 15 anos de Bruno Covas, é consolado em velório do pai

Publicado em: 16/05/2021 16:00 | Atualizado em: 16/05/2021 16:04

 (Reprodução/Rede social)
Reprodução/Rede social
O filho de 15 anos de Bruno Covas, Tomás, foi consolado por familiares durante o velório do prefeito de São Paulo neste domingo (16). Covas morreu por volta das 8h da manhã, no Hospital Sírio-Libanês, vítima de complicações de um câncer no trato intestinal.

Sobre o caixão estavam as bandeiras do Brasil e de São Paulo. Tomás recebeu o abraço de Gustavo Pires, assessor especial de Covas e amigo pessoal dele, e de João Doria (PSDB), governador de São Paulo. O garoto usava a camiseta dos Tucanáticos, da ala jovem do PSDB. O velório de Covas durou pouco mais de uma hora e foi restrito, à pedido da família, para evitar aglomerações.
Velório de Bruno Covas, prefeito de São Paulo (Reprodução )
Velório de Bruno Covas, prefeito de São Paulo (Reprodução )

Após a cerimônia, a urna com o corpo do político seguiu em cortejo em caminhão aberto do Corpo de Bombeiros. Emocionado, Tomás ajudou a carregar o caixão até o carro.

Covas morreu aos 41 anos. Ele lutava desde novembro de 2019 contra um câncer que, inicialmente, atingiu o trato digestivo. Nas últimas semanas, exames detectaram novos tumores no fígado, na estrutura da bacia e na coluna vertebral.

Luta contra o câncer
Na sexta-feira (14/5), os médicos informaram que o quadro de saúde de Covas era irreversível. Familiares acompanharam os últimos dias do prefeito no hospital. O câncer do político começou na cárdia (a transição entre o fígado e o esôfago), sofreu metástase e se espalhou por outras partes do corpo. Ele chegou a exercer o segundo mandato, ao ser reeleito no ano passado.

Covas descobriu o câncer em outubro de 2019. À época, ele fazia exames para investigar o surgimento de uma trombose, mas os procedimentos apontaram a existência de três tumores — um no fígado, um na cárdia e outro nos gânglios linfáticos. Os médicos atacaram a doença com os tratamentos de imunoterapia e quimioterapia, e dois dos três ferimentos chegaram a desaparecer.

Em fevereiro deste ano, a equipe médica de Covas identificou um novo tumor no fígado, e o prefeito retornou à quimioterapia. Entretanto, ao longo dessa nova etapa do tratamento, a doença se mostrou mais agressiva, se espalhando para outros pontos do fígado e alguns ossos do político. Foi constatado que o prefeito tem cinco tumores no fígado, um na estrutura da bacia e outro na coluna vertebral.

No início deste mês, Covas foi internado para realizar exames de sangue, de imagem e endoscópico, com o objetivo de prosseguir com o tratamento quimioterápico e imunoterápico contra o câncer. Durante o procedimento, foi constatada uma hemorragia no estômago, e ele teve de ser intubado para conter o sangramento.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Time de engenheiros se une para montar respiradores 15 vezes mais baratos e salvar milhares de vidas
Manhã na Clube: entrevistas com Marília Arraes, Marcella Salazar e Aurimar Borges Jr
Presidente da Argentina faz ataques xenofóbicos ao Brasil
Manhã na Clube: entrevistas com Tadeu Alencar e Túlio Rangel
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco