Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

VARIANTE INDIANA

Queiroga aposta na testagem para barrar avanço da cepa indiana

Publicado em: 23/05/2021 08:19

 (Nhac Nguyen/AFP)
Nhac Nguyen/AFP
A confirmação de casos de Covid-19 no Brasil com a variante indiana e uma nova alta da média móvel de mortes pela enfermidade acenderam um sinal de alerta para o Ministério da Saúde, que vai intensificar a testagem para tentar conter a explosão de uma terceira onda da pandemia. Ontem, a pasta confirmou 1.899 novas mortes pela doença, elevando o total para 448.208. Além disso, houve o registro de mais 76.490 casos. No acumulado, o Brasil já teve 16.047.439 pessoas infectadas com a Covid-19.

Nesta semana, a pasta deve enviar 3 milhões de testes rápidos para os estados, sendo 600 mil apenas para o Maranhão, onde foram confirmados os primeiros casos de pessoas infectadas no país com a cepa B.1.617, na última quinta-feira. Os testes serão aplicados em locais com grande circulação e que registrem entrada e saída de pessoas, como aeroportos, rodoviárias, portos e rodovias.

De acordo com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, é preciso agir imediatamente para impedir a transmissão comunitária da variante originária da Índia. Segundo ele, pessoas sintomáticas e assintomáticas serão submetidas ao procedimento. Qualquer viajante que apresentar o diagnóstico positivo para Covid-19 fará mais um teste para identificar se está contaminado com a cepa indiana. A partir daí, o paciente será aconselhado a cumprir quarentena e todos que tiveram contato com o infectado serão rastreados.

"Esses testes servem para a gente acompanhar a evolução dos casos. Porque quando aumentam os casos positivos, o que vai acontecer na frente? Internações. E depois? Óbitos. Então, precisamos reforçar essa vigilância em saúde para ter resultados mais efetivos. Vamos trabalhar forte para tentar de toda maneira fazer com que haja a queda dos casos e tenhamos uma solução para essa pandemia", afirmou o ministro.

Os outros 2,4 milhões de testes rápidos que serão disponibilizados para os demais estados devem ser utilizados prioritariamente nas regiões de fronteiras com outros países da América do Sul e nos aeroportos de maior movimentação do Brasil.

"A vigilância em saúde do ministério tem trabalhado fortemente. Queremos impedir que haja a propagação dessa variante, que ainda não tem comprovada a transmissão comunitária. Estamos buscando tudo isso para avaliar esses casos e buscar conter a possível transmissão comunitária desse vírus", destacou Queiroga.

Além disso, o governo vai impor barreiras sanitárias para impedir que mais cepas da doença cheguem ao território nacional. A princípio, isso será feito em São Paulo. Após reunião na tarde de ontem com integrantes da Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) e representantes do governo da capital paulista, Queiroga definiu que haverá um esquema para monitorar passageiros provenientes do Maranhão, com a aplicação de exames nas principais rodovias de acesso à cidade, como Fernão Dias e Dutra, e na Rodoviária do Tietê. De qualquer forma, o ministro garantiu que essas medidas devem ser aplicadas em outras partes do país.

Prevenção
Devido aos riscos que o país corre com a chegada de uma forma mais agressiva da Covid-19, o ministro frisou que é importante o respeito às medidas de proteção pessoal, como o uso de máscaras faciais e higienização das mãos, e de distanciamento físico.

"Essas recomendações são para todos, independentemente de variante indiana ou não. Quem tem suspeita de síndromes gripais deve evitar se deslocar de um estado para o outro e procurar as autoridades sanitárias. Todos devemos nos irmanar para procurar conter a circulação do vírus, seja a variante indiana, a de Manaus, a do Reino Unido", destacou Queiroga.

Ele frisou que "enfrentar uma pandemia é muito complexo”. "Preciso trabalhar aqui de maneira harmônica, determinada, para que consigamos vencer essa situação. Contamos com a colaboração de todos. Das autoridades sanitárias, mas, sobretudo, de cada um dos brasileiros", reforçou.

Queiroga alertou que manter o relaxamento das medidas de isolamento social é perigoso e pode contribuir para que o Brasil tenha mais mortes por Covid-19 e casos da doença. "O Ministério da Saúde tem se empenhado na busca de insumos estratégicos, porque nós podemos ter eventualmente aumento de casos, seja por uma maior abertura das cidades. Tivemos muitas cidades que fecharam e agora estão abrindo. É fundamental que, abrindo, essas cidades reforcem a necessidade das medidas não farmacológicas."

O ministro agradeceu à imprensa pela divulgação das ações da pasta e disse que os jornais contribuem para o enfrentamento à pandemia. "Nós estamos trabalhando fortemente para ampliar as possibilidades do Brasil superar essa pandemia, e tenho certeza que vocês da imprensa têm nos ajudado muito, levando boas informações para a sociedade. Há muitas fake news e a melhor maneira de reduzir isso é o Ministério da Saúde levar a vocês o que fazemos aqui todos os dias."

“Esses testes servem para a gente acompanhar a evolução dos casos. Porque quando aumentam os casos positivos, o que vai acontecer na frente? Internações. E depois? Óbitos"

Marcelo Queiroga, ministro da Saúde
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Túlio Gadêlha, Beatriz Paulinelli e Guilherme Maia
Advogado de enfermeira afirma que Maradona foi morto
Manhã na Clube: entrevistas com Décio Padilha, Adriana Barros e Roseana Diniz
Para evitar contaminação por Covid, robôs oferecem água benta em Meca
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco