Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

CRIME

Mulher chama homem de 'macaco' em ônibus e é presa por injúria racial

Publicado em: 13/04/2021 17:35

 (A vítima, o autônomo de 29 anos, impediu que a mulher fugisse do local; crime foi filmado por outros clientes. Foto: Reprodução/Youtube)
A vítima, o autônomo de 29 anos, impediu que a mulher fugisse do local; crime foi filmado por outros clientes. Foto: Reprodução/Youtube
Uma mulher foi presa em flagrante, no último sábado (10), logo após cometer o crime de racismo contra um passageiro de um ônibus em Praia Grande, no litoral de São Paulo. A vítima, um autônomo de 29 anos, conversou com o G1, nesta segunda-feira (12), e explicou que foi surpreendido pelos insultos enquanto conversava com a esposa dentro do transporte coletivo.

Em vídeo (veja abaixo), que circula pelas redes sociais, é possível ver parte da ação da mulher. A vítima contou ainda que houve outros xingamentos além dos registrados em imagens.

De acordo com o autônomo, ele e a esposa estavam há cerca de 10 minutos no ônibus, quando um outro passageiro o avisou que a mulher estava direcionando ofensas a ele. "Eu olhei sem entender e, quando virei para trás, a moça simplesmente, gratuitamente, me olhou e falou 'é com você que estou falando mesmo seu macaco'", relembra a vítima.

Ainda confuso, o jovem questionou "a senhora está falando comigo?". Neste momento a criminosa reforçou que estava se dirigindo ao rapaz e o chamou novamente de 'macaco'. "Sabe quando você não consegue assimilar tudo que está acontecendo? Foi isso que aconteceu. Eu travei. Minha mulher já levantou e a questionou”, conta. 

Polícia chamada e ônibus parado 
Após os insultos, a esposa dele foi até o motorista do ônibus e pediu que ele parasse o veículo imediatamente, pois teriam chamado a polícia. A solicitação foi atendida pelo condutor. Como ambos estavam sem celular, outros passageiros do ônibus solicitaram a presença da Polícia Militar da região.

"Eu só tinha a certeza que aquilo não poderia sair impune e que tínhamos que tomar as atitudes legais", afirmou a auxiliar de escritório, de 33 anos.

A mulher, então, manifestou desejo de descer do ônibus. Mas o jovem e a esposa não deixaram. "Eu travei a passagem, sem encostar nela, e falei que ela não sairia enquanto a polícia não chegasse".

O autônomo conta, ainda, que enquanto impedia a fuga da mulher, ela insinuou que o rapaz estava tentando, na verdade, assaltá-la. "Falou que eu era imundo, além dos outros xingamentos. Eu não a ofendi, apenas falei 'espera a viatura chegar'. Então ela disse: 'quando a viatura chegar você vai preso'”, observa.

“Eu já sofri racismo outra vez, mas dessa vez não poderia deixar de denunciar. Nada justifica um ato racista, é um ódio gratuito. A pessoa te acha menor por você ser diferente. Você se sente impotente. Isso que aconteceu comigo, de certa maneira, acontece todo dia, com muitas pessoas", desabafa.

Prisão
A PM atendeu a ocorrência e o caso foi registrado como injúria racial pela 1ª Delegacia de Polícia de Praia Grande, onde a mulher foi presa em flagrante.

Em nota, a empresa de ônibus, Viação Piracicabana, confirmou que, no dia 10, às 11h37, houve uma desinteligência entre dois clientes no veículo que trafegava pela Avenida Presidente Kennedy, na qual um deles informou ao motorista que havia sofrido injúria racial.

“O motorista prontamente acionou a polícia por meio do 190. A Polícia Militar, chegando ao local, solicitou o desembarque dos dois clientes para, em seguida, dar procedimento à ocorrência. Com isso, o veículo foi liberado para seguir seu itinerário normal. A empresa afirma lamentar profundamente o ocorrido”, observa o texto.

A defesa da mulher não foi encontrada pelo G1 para comentar o caso.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Baixas na equipe de Guedes
Trump anuncia planos para lançar nova rede social
Manhã na Clube: entrevistas com Teresa Leitão (PT), Fernandes Arteiro e José Teles
CPI da Pandemia recomenda indiciamento de Bolsonaro
Grupo Diario de Pernambuco