Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

CASO HENRY

Mensagens da babá revelam que mãe sabia que Dr. Jairinho agredia filho

Publicado em: 08/04/2021 14:43 | Atualizado em: 08/04/2021 14:47

 (Delegado responsável pelo caso destacou que Monique não denunciou as agressões e que mentiu para proteger o namorado. Foto: Reprodução/Redes sociais)
Delegado responsável pelo caso destacou que Monique não denunciou as agressões e que mentiu para proteger o namorado. Foto: Reprodução/Redes sociais

A Polícia Civil do Rio de Janeiro afirmou, nesta quinta-feira (8), que a mãe de Henry Borel, 4 anos, sabia que o filho era agredido pelo padrasto, Dr. Jairinho, e nada fez a respeito. As agressões ocorriam pelo menos desde 12 de fevereiro. A criança morreu em 8 de março com diversas lesões no corpo. 

Uma troca de mensagens entre Monique, a mãe de Henry, e Thayná de Oliveira Ferreira, babá da criança, descreve em tempo real a suposta agressão praticada por Dr. Jairinho, padrasto da criança, no dia 12 de fevereiro.

A conversa havia sido printada do WhatsApp de Monique, as imagens foram apagadas, mas a polícia conseguiu recuperar as imagens através de um software israelense chamado Cellebrite Premium.

 (Troca de mensagens entre Monique Almeida e Thaina Ferreira, babá de Henry. Foto: Reprodução

)
Troca de mensagens entre Monique Almeida e Thaina Ferreira, babá de Henry. Foto: Reprodução


De acordo com o relato da babá, Dr. Jairinho e Henry ficaram trancados dentro de um dos cômodos do apartamento com o volume da televisão alto. Logo após a saída do local, a criança mostrou os hematomas para Thayná e contou que levou uma rasteira e chutes, além de reclamar de dores no joelho e na cabeça. Durante a troca de mensagens, Monique demonstra estranheza pela presença de Jairinho no apartamento naquele horário.

Apesar disso, a mãe não fez denúncia contra Dr. Jairinho e em depoimento disse que o convívio familiar era harmonioso. A babá também mentiu em testemunho ao dizer que não sabia das agressões. Ela será investigada por falso testemunho. 

"A mãe não comunicou à polícia, não afastou o agressor de uma criança de quatro anos. Ela esteve em sede policial, prestando depoimento por 4 horas, dando uma declaração mentirosa e protegendo o assassino do próprio filho. Ela aceitou esse resultado. Ela se manteve firme ao lado dele, mantendo uma versão absolutamente mentirosa", disse o delegado.

O delegado Henrique Damasceno considera os prints uma prova relevante na investigação, que indica homicídio duplamente qualificado por tortura e emprego de recurso que impossibilitou a defesa da vítima.
TAGS: caso | henry | dr | jairinho | investigacao |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Vacinas da Johnson & Johnson sob investigação por risco de trombose
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 13/04
De 1 a 5: dicas de decoração para repaginar a casa de forma simples e sem gastar muito
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 12/04
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco