Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

CASO LAURA ORLANDI

Denúncia de maus-tratos à menina de 3 anos repercute nas redes sociais

Publicado em: 16/04/2021 15:48

 (Mãe de Laura Orlandi pede justiça por filha vítima de abuso sexual e maus-tratos em Santa Catarina. Foto: Reprodução/Instagram)
Mãe de Laura Orlandi pede justiça por filha vítima de abuso sexual e maus-tratos em Santa Catarina. Foto: Reprodução/Instagram
Em meio aos desdobramentos do caso Henry, Tatiana Mari da Silva, mãe de Laura Orlandi, de apenas 3 anos, vê crescer a repercussão do perfil no Instagram criado por ela para denunciar maus-tratos e abusos sexuais supostamente sofridos pela menina pelo filho da madrasta de Laura, que convive junto com a criança na casa do pai. A primeira publicação foi realizada no dia 17 de dezembro do ano passado. Desde então, a mãe compartilha vídeos da criança se recusando a ir à casa do pai e chorando ao sair dos braços da mãe.

O perfil utilizado para denunciar o caso já tem mais de 500 mil seguidores. Tatiana tem recebido apoio de vários influenciadores, internautas e advogados, que se ofereceram para ajudar no caso. A mãe diz que já denunciou o caso na Delegacia da Mulher de Kobrassol, em São José (SC), e pede mais visibilidade para que a Justiça seja feita.

A tag #JustiçaPorLauraOrlandi passou a ser usada por internautas após a repercussão do perfil nas redes sociais. 

Primeira publicação
No primeiro vídeo publicado no Instagram, a criança aparece não querendo ir com o pai. Tatiana explica em legenda: “Observe como a criança não quer ir para os braços do pai, ela o rejeita, como fuga tenta ir para os braços da mãe, grita e chora desesperadamente por ela, enquanto Monica, madrasta da criança, bate palmas ao fundo com soar sarcástico e maldoso”.

A mãe conta que a gravidez da criança não foi desejada por Cristiano Orlandi, pai de Laura. “Esse pai queria que a mãe abortasse quando soube da gravidez, porque era casado com outra pessoa que trabalhava no tribunal e estava preocupado com sua reputação por causa do relacionamento extraconjugal que mantinha, mas a mãe não concordou e preferiu lutar sozinha pela filha. Como confiar nesse pai agora com a filha de três anos sob sua guarda e presença da madrasta?”, questiona.

“Até o momento, o pai usa de sua influência profissional para manipular os processos jurídicos e a própria guarda da filha, afastando horrivelmente a mesma da mãe. Entre tantos casos que aconteceram como Isabela Nardoni e Bernardo, NÃO QUEREMOS QUE ACONTEÇA O MESMO COM A LAURA’, a mãe declara no post.

 A reportagem tentou contato com o pai de Laura, Cristiano Orlandi, mas ainda não obteve resposta.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
De 1 a 5: dicas para destravar sua criatividade e ampliar a percepção
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 10/05
Gil do Vigor é recebido com festa da população e honraria em Paulista
Imunização para gestantes começa a ser liberada, mas ainda gera dúvidas
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco