Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

ESTUDO

Unicamp confirma caso de hepatite medicamentosa por uso do 'kit covid'

Publicado em: 24/03/2021 12:37 | Atualizado em: 24/03/2021 12:54

 (Foto: Ministério da Saúde/Divulgação)
Foto: Ministério da Saúde/Divulgação
O Hospital de Clínicas da Unicamp, em Campinas (SP), identificou o primeiro caso de paciente que teve diagnóstico de hepatite medicamentosa relacionada ao uso do 'kit covid', o conjunto de remédios como hidroxicloroquina, azitromicina e ivermectina. Pesquisas já mostraram que os medicamentos não têm eficácia contra o novo coronavírus, mas substâncias já chegaram a ser indicadas como política pública de saúde como "tratamento precoce". A relação entre esses medicamentos e a doença no fígado foi confirmada ao Correio pela Unicamp.

O paciente tem cerca de 50 anos e é morador de Indaiatuba, em São Paulo. Segundo a professora e médica da unidade de transplante hepático do HC, Ilka Boin, em entrevista coletiva divulgada pelo Instagram do hospital, o morador é atleta e não apresenta histórico de outras doenças. Ele foi diagnosticado com o vírus há aproximadamente três meses; um mês após fazer o uso do kit covid, zinco e vitamina D, ele começou a apresentar pele e olhos amarelados. Segundo o paciente, as substâncias foram consumidas por prescrição médica.

Sobre a descoberta da relação dos medicamentos ela acredita que o paciente tenha recebido a prescrição para uso, mas que ainda não é possível saber se o uso foi preventivamente ou precocemente, já na vigência dos sintomas: "Toda vez que se faz um diagnóstico desse, se faz a história clínica, então você conversa com o paciente para saber quais medicamentos que ele tomou nos últimos 30, 60 e 90 dias. Nesse antecedente, as únicas medicações são essas que fazem parte do 'kit covid'. Hoje o kit não são mais duas drogas. Tem pacientes oito ou nove medicamentos".

Ainda segundo a médica, o paciente chegou encaminhado de São Paulo já com a possibilidade de transplante: "Foi analisado os exames e a primeira hipótese foi de hepatite pós-covid, já que ele havia tido o vírus em dezembro. Ele começou a apresentar um quadro de fadiga, pele e olhos amarelos, e trouxe a biópsia de São Paulo, uma de janeiro e outra de fevereiro, apresentando a perda de dutos biliares, o que induz ao quadro de síndrome da perda dos dutos biliares, uma das características das doenças tóxico-medicamentosas.

Boin afirmou que ele não está internado e que está relativamente bem, mas ainda será necessário avaliar o caso e fazer novos exames para ver a necessidade do transplante de fígado. "Ele não tomou durante muito tempo, mas tem alguns pontos que faz com que a medicação leve a uma doença hepática toxico-medicamentosa. Pode ser alteração do metabolismo da própria pessoa, uma doença pré-existente que tava crescente e apareceu nesse contexto ou a causa da lesão".

Contraindicações
O presidente Jair Bolsonaro defende o uso do 'kit covid' ou 'tratamento precoce', embora diversas pesquisas científicas apontem que esses remédios não têm eficácia no tratamento de Covid-19. A maior preocupação dos médicos intensivistas é o efeito colateral desses medicamentos em pacientes que evoluem para a forma grave da covid e que já estão com o funcionamento de órgãos vitais comprometidos.

De acordo com médicos de hospitais de referência, o uso do "kit covid" contribuem de diferentes maneiras para aumentar as mortes no país. Foi apontado ainda que o uso também mata de maneira indireta, ao retardar a procura de atendimento pela população.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
A Justiça está realmente cuidando das crianças no centro de disputas familiares?
Cacique Raoni pede ao presidente dos EUA que ignore Jair Bolsonaro
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 16/04
Carta aberta pede quebra de patentes de vacinas de Covid-19
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco