Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

BAHIA

PM que disparou tiros no Farol da Barra, em Salvador, tem morte confirmada

Publicado em: 29/03/2021 10:26 | Atualizado em: 29/03/2021 11:01

 (Foto: Alberto Maraux/SSP-BA)
Foto: Alberto Maraux/SSP-BA
O comandante-geral da Polícia Militar da Bahia (PMBA) Paulo Coutinho confirmou, nesta segunda-feira (29), a morte do policial militar Weslei Soares, morto após efetuar disparos contra guarnições da PM durante um surto psicótico no domingo (28). No último domingo, durante quase quatro horas, o PM bloqueou a frente do Farol da Barra, em Salvador, e efetuou dezenas de disparos de fuzil. A ação se estendeu até o início da noite quando, cercado pela polícia, o policial foi baleado, vindo a óbito. 
 
Segundo Coutinho, um inquérito policial será instaurado para averiguar o desenrolar dos fatos durante a ação e os procedimentos adotados pela corporação na contenção do PM. 

Weslei chegou a ser encaminhado pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) ao Hospital Geral do Estado (HGE), e passou por uma cirurgia, mas não resistiu, e teve morte confirmada na noite do domingo. O policial foi atingido em pelo menos três regiões do corpo, incluído tórax e abdômen.
  
De acordo com a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP), às 18h35, o soldado afirmou que “havia chegado o momento, fez uma contagem regressiva e iniciou disparos contra as equipes do Bope”. Os policiais dispararam dez vezes contra Weslei. 

O comandante do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), major Clédson Conceição, em entrevista ao Correio, veículo baiano, afirmou que os policiais buscaram utilizar técnicas de negociação e impedir um confronto, mas que o PM "atacou as equipes". Conceição reforçou o fato de o local ser uma área residencial, expondo, além dos militares, também os moradores. 

Ainda, disparos foram feitos para dispersar a imprensa. Repórteres e cinegrafistas que estavam no local foram ameaçados por policiais.
 
Em nota, a PM escreveu que “lamenta pela ocorrência crítica envolvendo um integrante da corporação” e que todas as medidas foram adotadas em prol “do objetivo principal, que é a preservação de vidas”.

Negociações
O major Conceição disse que houve a tentativa de fazer com que Weslei se entregasse, mas que "essa negociação alternava em picos de lucidez com loucura".

O comandante ainda comentou que o PM estava "bastante transtornado”. 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
A Justiça está realmente cuidando das crianças no centro de disputas familiares?
Cacique Raoni pede ao presidente dos EUA que ignore Jair Bolsonaro
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 16/04
Carta aberta pede quebra de patentes de vacinas de Covid-19
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco