Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

PANDEMIA

PF abre inquérito para investigar empresários que tomaram vacina às escondidas

Publicado em: 25/03/2021 18:42

 (Foto: Mauro Pimentel/AFP)
Foto: Mauro Pimentel/AFP
A Polícia Federal (PF) abriu inquérito, nesta quinta-feira (25), para investigar empresários que teriam tomado a vacina contra a Covid-19, às escondidas, em Minas Gerais. Mais cedo, o Ministério Público Federal (MPF) instaurou um procedimento administrativo criminal para apurar se o grupo teria importado os imunizantes. De acordo com reportagem da revista Piauí, as doses da Pfizer foram adquiridas por iniciativa própria e não repassadas ao Sistema Único de Saúde (SUS), como prevê a lei. A segunda dose estaria prevista para ser aplicada nas cerca de 50 pessoas daqui a 30 dias; o lote com duas doses para cada custou 600 reais por pessoa.

Os empresários, que teriam recebido a primeira dose na terça-feira (23), são, em maioria, ligados ao setor de transportes no estado, de acordo com a publicação. Entre eles estaria o ex-senador Clésio Andrade (PMDB-MG), ex-presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT); os familiares do político também teriam sido vacinados.

Ainda de acordo com a reportagem, parte dos imunizados afirmou que os irmãos Rômulo e Robson Lessa, donos da viação Saritur, seriam os responsáveis da iniciativa e que uma garagem do grupo serviu de posto de vacinação improvisado. Em nota, a Saritur informou que os irmãos Lessa não fazem parte do seu corpo societário e que a direção da empresa desconhece a ocorrência de imunização em uma garagem.

O inquérito se baseia em um projeto de lei, de autoria do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro no começo de março, que autoriza a compra de vacinas pela iniciativa privada, mas determina que todas as doses devem ser doadas ao SUS até que todos os grupos de risco tenham sido imunizados no país — o Brasil vacinou pouco mais de 12 milhões de pessoas até o momento. Mesmo depois da imunização de todo o grupo prioritário, contudo, as vacinas compradas pela iniciativa privada devem ser divididas meio a meio com o SUS, em operação fiscalizada pelo Ministério da Saúde.

Inconstitucional
Ainda nesta quinta-feira (25), a Justiça considerou inconstitucional a lei aprovada pelo Congresso que obriga a doação ao Sistema Único de Saúde das doses compradas pelo setor privado.

De acordo com juiz substituto da 21ª Vara Federal de Brasília, Rolando Spanholo, a obrigação de doação integral dos imunizantes ao SUS desestimula que a sociedade civil, empresários e instituições participem da compra e da vacinação contra a Covid-19, o que atrasa ainda mais o processo no país. O magistrado aceitou o argumento de que a restrição violava o direito fundamental à saúde, ao atrasar a imunização, apresentada pelo Sindicato dos Delegados de Polícia de São Paulo. A decisão abre brecha para que outras entidades peçam o mesmo aval.

O entendimento do magistrado, porém, não é definitivo, e cabe recurso. A Advocacia-Geral da União (AGU) deve recorrer à próxima instância, o Tribunal Regional Federal. A investigação da Polícia Federal contra os empresários mineiros segue normalmente.
TAGS: pandemia | covid-19 | vacina | pf |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Metade da população adulta nos EUA já tomou ao menos uma dose de vacina contra Covid
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 19/04
A Justiça está realmente cuidando das crianças no centro de disputas familiares?
Resumo da semana: STF mantém anulações de sentenças contra Lula, mais jovens em UTIs e CPI da Covid
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco