Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

PANDEMIA

Ministro da Saúde afirma que Brasil supera 900 mil vacinados por dia

Publicado em: 29/03/2021 22:41

 (Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Apesar de demonstrar preocupação com a velocidade da entrega de vacinas ao Programa Nacional de Imunização (PNI), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou, durante audiência pública na comissão temporária do Senado da Covid-19, nesta segunda-feira (29), que o Brasil está perto de atingir a marca de imunizar 1 milhão de pessoas por dia, meta prometida na primeira semana de trabalho do novo ministro. Segundo Queiroga, o país já superou a marca de 900 mil indivíduos imunizados por dia.

"Na semana passada, nós vacinávamos cerca de 300 mil brasileiros por dia e nós já nos comprometemos com uma meta, já na primeira manifestação que eu fiz à imprensa, de atingir 1 milhão de vacinados por dia. Essa meta já está praticamente atingida, já superamos mais de 900 mil indivíduos imunizados por dia", disse ao senadores em fala inicial. Segundo Queiroga, a capacidade vacinal do Brasil é de 2,4 milhões de brasileiros por dia.

Pelo vacinômetro disponibilizado pelo próprio Ministério da Saúde, no entanto, no dia em que o país mais vacinou, em 24/3, foram aplicadas 586 doses, quantitativo que diverge da fala do ministro. Por outro lado, é necessário destacar que, em razão das diferentes tecnologias disponíveis em cada sala vacinal, os dados podem entrar com atraso ao longo dos dias, o que pode explicar a diferença.

O desafio é, sobretudo, manter o ritmo vacinal. O cardiologista explicou que o principal problema é a quantidade de doses disponíveis. "Não é uma questão logística, é uma questão de disponibilidade de vacinas para esses primeiros três meses em que nós mostraremos à sociedade brasileira, de uma maneira muito clara, que estamos empenhados em ampliar a vacinação no país", reforçou.

Entre os esforços para fazer mais vacinas chegarem logo, Queiroga reforçou o engajamento internacional, afirmando que tentará adiantar mais vacinas adquiridas por meio da aliança multilateral Covax Facility. Segundo o ministro, a possibilidade é articulada com os Estados Unidos, com uma proposta de permuta.

Desta maneira, a ideia é pegar parte das doses da AstraZeneca, pendente de autorização de uso e, por isso, paradas em território norte-americano para conseguir fazer com que as 42,5 milhões de doses acordadas pelo consórcio internacional cheguem neste primeiro semestre. O planejamento inicial era fatiar o quantitativo em quatro lotes ao longo de 2021. "Essas vacinas estão postas mais para o fim do ano", disse.

O desafio, portanto, é fazer chegar o maior número possível de doses nos próximos meses. Do contrário, é possível que haja um novo vazio de disponibilidade, fazendo com que o ritmo vacinal caia novamente.

Pfizer
Mais cedo, Queiroga se reuniu com a presidente da Pfizer Brasil, Marta Díez, para pedir celeridade na entrega de 50 milhões de doses da vacina Cominarty, produzida pela farmacêutica e comprada pelo Ministério da Saúde este mês.

A pasta assinou um contrato para adquirir 100 milhões de doses, mas o cronograma indicado no documento prevê a entrega de apenas 13,5 milhões de doses no segundo trimestre de 2021, ou seja entre abril e junho. As 86,5 milhões restantes serão entregues entre julho e setembro.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
A Justiça está realmente cuidando das crianças no centro de disputas familiares?
Cacique Raoni pede ao presidente dos EUA que ignore Jair Bolsonaro
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 16/04
Carta aberta pede quebra de patentes de vacinas de Covid-19
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco