Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

KIT INTUBAÇÃO

Indústria farmacêutica brasileira não consegue suprir mercado, diz Queiroga

Publicado em: 31/03/2021 13:17

 (Ministro da Saúde afirmou que, diante da "avalanche" de casos da covid-19, o país não consegue atender a atual demanda de medicamentos, como os que fazem parte do kit intubação. Foto: Christophe SIMON/AFP)
Ministro da Saúde afirmou que, diante da "avalanche" de casos da covid-19, o país não consegue atender a atual demanda de medicamentos, como os que fazem parte do kit intubação. Foto: Christophe SIMON/AFP
Em meio ao desabastecimento de medicamentos e de oxigênio para tratar pacientes com Covid-19, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, admitiu que o país não possui autossuficiência para dar conta da atual demanda a partir dos contratos tradicionais, mas que trabalha com alternativas, como ajuda privada e internacional, para conseguir superar o gargalo. A fala ocorreu após a primeira reunião do comitê de combate à pandemia de Covid-19, nesta quarta-feira (31).

Ao lado do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, e do presidente da Câmara, Arthur Lira, Queiroga afirmou que o Ministério da Saúde acompanha a evolução dos estoques de medicamentos para intubação "a fim de que haja uma distribuição homogênea entre a saúde pública e suplementar". Mas ressaltou: " É claro que a nossa indústria farmacêutica não tem toda a capacidade para suprir o mercado, diante de uma avalanche de casos que tem afetado o nosso sistema de saúde".

O suporte, com o objetivo de desafogar a necessidade de trabalhar diariamente no limite dos estoques, é acertado junto à Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) e ao governo dos Estados Unidos.

Nessa terça-feira (30), o ministro se reuniu com o embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Todd Chapman, e também com o assessor médico chefe da Casa Branca, Anthony Fauci, para reforçar a parceria estratégica entre os países.

Oxigênio
As tratativas alternativas também ocorrem na complementação do oxigênio hospitalar. "Existe a dificuldade do nosso parque industrial de fornecer o cilindros que nós precisamos. Estamos trabalhando junto à iniciativa privada", disse o ministro, citando a colaboração da Federação das Indústrias de São Paulo (FIESP).

"Mas isso também tem um limite, porque a indústria precisa de oxigênio para produzir insumos que são úteis à saúde", completou, citando, ainda, a importação de 13 caminhões tanque para transportar o insumo na forma líquida aos municípios mais distantes.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
A Justiça está realmente cuidando das crianças no centro de disputas familiares?
Cacique Raoni pede ao presidente dos EUA que ignore Jair Bolsonaro
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 16/04
Carta aberta pede quebra de patentes de vacinas de Covid-19
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco