Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

INVESTIGAÇÃO

Ministro do STF autoriza retorno de senador pego com dinheiro na cueca

Publicado em: 17/02/2021 20:41

 (Foto: Pedro França/Agência Senado)
Foto: Pedro França/Agência Senado
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso autorizou que o senador Chico Rodrigues (DEM-RR), pego com dinheiro na cueca, volte a exercer o cargo. Em outubro do ano passado, o ministro determinou o afastamento do senador depois que a Polícia Federal apreendeu R$ 33,1 mil que estavam escondidos na cueca do parlamentar. Para evitar desgastes, o senador pediu licença por 121 dias, e o afastamento foi revogado pelo ministro, relator do caso no Supremo. O prazo da licença termina na próxima quinta-feira (18).

Barroso manteve seu afastamento da comissão que discute destinação de valores para combate à pandemia da Covid-19. Isso porque Chico Rodrigues foi pego com dinheiro na cueca durante a Operação Desvid-19, que apura esquema de desvio de verbas públicas oriundas de emendas parlamentares que eram destinadas ao combate à pandemia da Covid-19 em Roraima, no âmbito da Secretaria de Estado da Saúde. Ele eta alvo de busca e apreensão.

O caso teve ampla repercussão. Conforme relatório da PF, o senador estava com R$ 15 mil %u201Cno interior de sua cueca, próximo às suas nádegas%u201D, e mais R$ 18.150 nas vestes íntimas. Em sua decisão, Barroso %u201Clevou em consideração que não há fatos recentes que justifiquem uma nova decisão de afastamento do mandato%u201D. Também foi considerado o fato de não haver, até o presente momento, denúncia por parte do Ministério Público. Assim, o ministro entendeu que não há indícios de que o senador possa prejudicar o andamento das investigações.

Barroso pontuou, ainda, que pode rever a decisão, %u201Ccaso sobrevenha notícia de alguma irregularidade%u201D. Sobre o impedimento de que ele volte à comissão, o ministro pontuou que %u201Cseria um contrassenso permitir que o investigado pelos supostos desvios viabilizados pela atuação na comissão parlamentar voltasse a nela atuar no curso da investigação%u201D, afirmou.

O senador é investigado por suposta participação em esquema de fraude e dispensa de licitações, peculato e organização criminosa voltada ao desvio de recursos federais destinados ao combate da pandemia em Roraima.

O caso teve ampla repercussão, mas o movimento no Senado foi no sentido de deixar as coisas esfriarem, com a possibilidade de salvar o mandato do senador e, ao mesmo tempo, evitar que parlamentares tenham que votar um afastamento do colega ou mesmo tenham que defendê-lo publicamente. Foi feita uma representação contra o senador no Conselho de Ética, mas os trabalhos estavam suspensos por uma resolução da mesa diretora desde o primeiro semestre devido à pandemia do novo coronavírus.





TAGS: pf | senado | stf |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Combate à obesidade ganha ainda mais importância no contexto da pandemia
Resumo da semana: explosão de casos de Covid-19 e desdém do presidente
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 05/03
Na pior fase da pandemia, cidades fazem panelaço contra Bolsonaro
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco