Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

BRASÍLIA

Polícia apreende 11 cobras em casa de estudante de biologia em Valparaíso

Publicado em: 13/01/2021 22:45

 (Foto: PCGO/Divulgação)
Foto: PCGO/Divulgação
A Polícia Civil do Estado de Goiás (PCGO) apreendeu, na manhã desta quarta-feira (13), 11 cobras de espécies distintas, entre elas exóticas, na casa de um estudante de biologia, em Valparaíso (GO) — distante cerca de 30km de Brasília (veja o vídeo). Em depoimento, o jovem, que não teve a idade revelada, confessou que comprou as serpentes, de forma ilegal, há quatro anos, no Distrito Federal.

Policiais da 1ª Delegacia de Polícia de Valparaíso chegaram até o endereço do rapaz depois de receberem uma denúncia anônima. “O denunciante informou que uma pessoa mantinha cobras em um cativeiro. A denúncia foi feita à Secretaria Municipal do Meio Ambiente, que pediu apoio à PCGO”, afirmou a delegada-titular da 1ª DP, Samya Noleto.

Ao chegarem à residência, os investigadores pediram para entrar na casa. O jovem, que cursa biologia, alegou que as cobras eram de estimação. Foram encontradas, no total, 11 serpentes, entre elas as espécies Corn Snake e King Snake. Três delas, segundo o suspeito, teriam sido compradas e duas se reproduziram e cresceram. “Ele contou que as adquiriu há quatro anos, em Brasília”, completou a delegada.

Durante o interrogatório, o jovem alegou que conseguiu o contato de um vendedor por meio de amigos para negociar a comercialização dos animais. As encomendas foram feitas no DF. Uma das cobras custou R$ 1,2 mil e as outras duas, R$ 250 (cada).

O Correio apurou que o caso foi repassado à Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) para investigar se há relação com a Operação Snake — coordenada pela 14ª Delegacia de Polícia do DF (Gama), que desmantelou um esquema de tráfico de animais silvestres e indiciou 11 pessoas. O jovem foi encaminhado à delegacia, onde assinou um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) e foi liberado em seguida.

Caso naja

Era 7 de julho de 2020 quando Pedro Henrique Krambeck, 22 anos, sofreu um acidente dentro do apartamento onde mora, no Guará 2. O estudante de medicina veterinária foi mordido no braço por uma naja kaouthia, do sudeste da Ásia. O caso desencadeou investigação que abriu suspeitas de crime de tráfico internacional de animais. No dia em que foi picado, imagens do circuito interno de segurança do prédio mostraram o momento em que Pedro entra no elevador com a mão no braço, ainda consciente, desce na garagem e entra no carro da família. Ele é levado ao Hospital Maria Auxiliadora, no Gama, onde fica entre a vida e a morte.

O que chamou a atenção da polícia à época foi o fato de uma naja estar sendo criada como animal doméstico, uma vez que a entrada de serpentes dessa espécie é proibida em território brasileiro. Com o andamento das investigações conduzidas pela 14ª DP, constatou-se que Pedro Krambeck mantinha outras 22 cobras em casa.

Um dos amigos de Pedro, Gabriel Ribeiro Moura, foi o responsável por ficar com a naja após o incidente. Ele deixou a cobra, um dia depois, próximo ao shopping Pier 21, dentro de uma caixa. O animal foi resgatado poucos segundos depois pela Polícia Militar.

A Polícia Civil concluiu que Pedro traficava cobras por, pelo menos, cinco anos. Onze pessoas foram indiciadas. O Ministério Público do DF pediu a condenação de Pedro, Rose, Clóvis e Gabriel, que se tornaram réus no processo. Pedro responde 23 vezes por tráfico de animais, associação criminosa e exercício ilegal da medicina. O tenente-coronel da PMDF Clóvis Eduardo Condi, padrasto de Pedro Henrique, teria dado suporte financeiro e material para que a residência servisse de cativeiro para as cobras. Ele responde, também, 23 vezes por tráfico de animais silvestres, fraude processual, maus-tratos e associação criminosa.

Além disso, a mãe de Pedro Henrique responde por fraude processual, corrupção de menores, 23 vezes por tráfico de animais, maus-tratos e associação criminosa. No esquema, ela era encarregada de alimentar as serpentes e cuidar da reprodução. Agora, a decisão está nas mãos do juiz Manoel Franklin, da Vara Criminal do Gama, que determinará as sentenças.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Rede de voluntários faz diferença em Manaus
Enem para todos com o professor Fernandinho Beltrão - Algas e fungos
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 22/01
Incêndio em fábrica de vacinas deixa cinco mortos na Índia
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco