Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

CORONAVAC

Butantan diz que eficácia de 100% em casos graves 'não tem significância estatística'

Publicado em: 12/01/2021 17:22 | Atualizado em: 12/01/2021 17:26

Diretor médico de pesquisa do Instituto Butantan, Ricardo Palácios (Foto: Reprodução/Youtube)
Diretor médico de pesquisa do Instituto Butantan, Ricardo Palácios (Foto: Reprodução/Youtube)
Apesar de o governo de São Paulo ter divulgado na semana passada que a eficácia da vacina CoronaVac, produzida pela Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, em casos graves e moderados é de 100%, o diretor médico de pesquisa do Instituto Butantan, Ricardo Palácios, explicou, nesta terça-feira (12), que o dado não tem significância estatística, porque o número de infectados que precisaram de hospitalização no total é pequeno: apenas sete pessoas do grupo placebo, de um total de 4.599 voluntários.

“É um dado pequeno e ainda não tem significância estatística embora esteja demonstrando uma tendência”, indicou Palácios. Segundo o diretor, a tendência demonstrada pelo estudo é de que a vacina diminui a intensidade clínica da doença.

“Acho que nenhuma das pessoas da área biomédica ousaria fazer uma afirmação absoluta. Sempre pode ter um caso ou outro que escapa por diferentes causas. É um dado importante de entender. É um dado que tem que ser visto com cautela e, por isso, sempre colocamos isso dentro de um contexto de que há uma tendência da vacina a diminuir a intensidade clínica da doença. Esse é o dado quando a gente interpreta como conclusão que deve ser salientado. Não há uma promessa de que ninguém vai morrer se vacinar, porque nenhuma vacina pode fazer essa promessa”, completou.

Entre as conclusões apresentadas em uma apresentação está a de que o efeito da vacina “tende a aumentar conforme aumenta a intensidade da doença”. Isso ocorre porque a taxa de eficácia da vacina aumentou de acordo com a intensidade da doença. Enquanto, a eficácia em casos de infecções muito leves, que não precisam de ajuda, foi de 50,38%, a efetividade da vacina para proteger casos leves, que precisam de assistência médica, foi de 77,96% (segundo o estudo, sete pessoas haviam recebido a vacina, e outras 31, placebo).

Dessa forma, Palácio explicou que a vacina consegue controlar a pandemia através do "efeito esperado, que é a diminuição da intensidade da doença clínica". "Como conclusão, a vacina é extremamente segura. Ninguém vai virar outra coisa além de um ser humano protegido e imunizado quanto tomar a vacina", afirmou.

Anúncio anterior
Na semana passada, o governo estadual e o instituto paulista anunciaram uma eficácia de 78% para casos leves e 100%, para casos graves. Os números, entretanto, são recortes do estudo. Ao observar toda a amostra, chega-se à eficácia geral, principal indicador da pesquisa e cujo número é menor.

Apesar de o índice de 50,38% estar abaixo dos 78% anunciados, ele atende a eficácia mínima recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que é de 50%. A Anvisa explica que não há critério de eficácia mínimo definido em norma para aprovação da vacina, seja para uso emergencial ou para registro definitivo. Porém, a agência diz estar alinhada às discussões internacionais, que sugerem um valor mínimo de 50%.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Enem em plena pandemia vira desafio em dobro para estudantes
Enem para todos com o Fernandinho Beltrão #369 #370 Isolamento geografico, reprodutivo e genético
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 15/01
Amazonas anuncia toque de recolher
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco