Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

TWEET

Bolsonaro diz que compra de seringas está suspensa até que preços voltem ao normal

Publicado em: 06/01/2021 10:27 | Atualizado em: 06/01/2021 11:42

 (Foto: Evaristo Sá/AFP)
Foto: Evaristo Sá/AFP
O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quarta-feira (6) que o Ministério da Saúde suspendeu a compra de seringas a serem utilizadas na vacinação contra a Covid-19 "até que os preços voltem à normalidade". De acordo com o mandatário, como houve interesse da pasta "em adquirir seringas para seu estoque regulador, os preços dispararam".

"Estados e municípios têm estoques de seringas para o início das vacinações, já que a quantidade de vacinas num primeiro momento não é grande", escreveu em suas redes sociais. Na verdade, no fim do ano, o pregão aberto pelo Ministério da Saúde para compra de seringas e agulhas foi um grande fracasso, pois precisava de 331 milhões de unidades, mas teve oferta para apenas 7,9 milhões. Os fabricantes informaram que não houve interessados porque o preço pago pelo governo está muito abaixo do mercado.

Desde o início do segundo semestre, fabricantes alertam que o governo precisaria acelerar as negociações para aquisição de seringas e agulhas, sob o risco de o país não conseguir os produtos. Agora, o Ministério da Saúde resolveu fazer uma requisição administrativa de estoques excedentes de agulhas e seringas de fabricantes brasileiros para serem usadas na vacinação contra o novo coronavírus no país. 

A ação envolve os fabricantes representados pela Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos e Odontológicos (Abimo). Segundo a pasta, isso ocorre “enquanto não se conclui o processo licitatório normal, que será realizado o mais breve possível”.

Além disso, o governo federal restringiu a exportação de seringas e agulhas, conforme portaria publicada no dia 31 de dezembro de 2020 pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex), órgão do Ministério da Economia. Agora, a exportação de unidades exige uma “licença especial de exportação de produtos para o combate à Covid-19”.

O governo também tem a intenção de zerar o imposto sobre importação de agulhas e seringas, após pedido da pasta da Saúde. Decisão cabe ao Comitê Executivo de Gestão da Câmara de Comércio Exterior (Camex), que se reuniu nessa terça-feira (5) e definirá a questão até as 13h desta quarta-feira.

Em transmissão ao vivo, no último dia do ano passado, o presidente também havia culpado o preço dos produtos pelo fracasso na aquisição. "Vocês sabem para quanto foi o preço da seringa? Aqui é Brasil. Sabem como está a produção disso? Como o mercado reagiu quando souberam que vão comprar 100 milhões ou mais de seringas?", questionou.

Atraso
O Brasil está atrasado quando se fala no início da vacinação contra a Covid-19. Pelo menos 44 países já começaram a vacinar, sendo que na América do Sul, dois países já iniciaram processo: Argentina e Chile. Até hoje, apesar de um plano de imunização, apresentado em dezembro do ano passado, não há data para começar a vacinar a população. Também não existe, até o momento, pedido de registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Pelas redes sociais, nesta quarta-feira, o presidente tenta minimizar questão, alegando que a cobertura vacinal ainda é pequena nos outros países — o que é normal, visto que o processo está no início. "Daí a falácia da mídia, como se estivessem vacinando toda a população", escreveu.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
De 1 a 5: como as mudanças no WhatsApp afetam sua privacidade
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 25/01
Enem 2020: professores do Colégio Núcleo comentam ao vivo as provas deste domingo
Verão inspira cuidados com a saúde e alimentação
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco