Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

OPERAÇÃO

Polícia Federal deflagra segunda fase da Operação Km Livre

Publicado em: 19/11/2020 11:50 | Atualizado em: 19/11/2020 12:05

 (Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil)
Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil
A atuação de agentes públicos nos crimes desvio de recursos, fraudes a licitações e lavagem de dinheiro são o alvo da segunda fase da Operação Km Livre deflagrada nesta quinta-feira (19)  pela Polícia Federal (PF) em atuação conjunta com a Controladoria Geral da União. No total estão sendo cumpridos 27 mandados de busca e apreensão em Fortaleza (CE), Russas (CE), Caucaia (CE), Mossoró (RN) e também na cidade do Rio de Janeiro. Os mandados foram expedidos pela Justiça Federal.

Investigações
Segundo a PF, as investigações apuram fraudes em licitações e na contratação de serviços de locação de veículos e motocicletas, com desvio de recursos públicos e lavagem de dinheiro. O grupo criminoso é liderado por um ex- deputado federal e estadual pelo estado do Ceará no período da investigação. O político não teve a identidade revelada.  “Há fortes evidências de lavagem de dinheiro ilícito por meio da aquisição clandestina de corretoras valores e de sociedades em conta de participação do ramo de energia eólica, com a ajuda estratégica de operadores do mercado financeiro”, acrescentou a PF.

A primeira fase da Operação Km Livre foi deflagrada em 2016, quando foram apreendidos mais de R$ 5,9 milhões em dinheiro na sede de uma das empresas investigadas, no Bairro de Fátima. Hoje, os policiais flagraram e apreenderam grande quantidade de dinheiro em espécie, com suspeita de lavagem de dinheiro, ocultado na sede de uma das empresas investigadas na capital cearense.

A investigação policial identificou, a partir desses valores, documentos e dados apreendidos na primeira fase, a atuação da organização criminosa na criação de empresas com participação de laranjas, reais gestores das empresas investigadas. O dinheiro era lavado por meio de aquisição de imóveis, empresas e transações no mercado financeiro.

A organização criminosa atua há cerca de 20 anos e, desde então, tem obtido consecutivos e progressivos êxitos nas empreitadas criminosas, gerando lucros ilícitos. A Polícia Federal continua a investigação, com análise do material apreendido.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 01/12
De 1 a 5: Novembro Azul chega ao fim, mas prevenção do câncer de próstata precisa ser permanente
Enem para todos com o professor Fernandinho Beltrão #276 Propagação vegetativa em plantas
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 30/11
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco