Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

INDICAÇÕES

Embalagens terão lupa para alertar sobre alimentos maléficos à saúde

Publicado em: 07/10/2020 21:29

 (Foto: Anvisa)
Foto: Anvisa

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou, nesta quarta-feira (7/10), o novo modelo de rótulos nutricionais que passará a compor as embalagens de alimentos. Com o objetivo de dar mais clareza ao consumidor na observação de itens com altos teores de açúcar, gordura e sódio, por exemplo, os produtores serão obrigados a utilizar o símbolo de uma lupa, na parte da frente da embalagem, para indicar as observações. No entanto, a escolha, aprovada por unanimidade pela diretoria da agência, não atende a pedido de entidades que defendiam outro símbolo de advertência.

Na proposta da Anvisa, os alimentos com alto teor de sódio, gordura saturada ou açúcar adicionado deverão receber a ilustração de uma lupa preta. Os componentes foram escolhidos devido à relação da ingestão em excesso com problemas de saúde, como diabetes e doenças cardiovasculares.

Críticas

Na sugestão do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), que fez parte do grupo de trabalho para discutir o tema desde 2014, a grande defesa era pela adoção do modelo que põe em destaque triângulos pretos. "O modelo de lupa aprovado pela Anvisa é completamente diferente do sugerido durante a consulta pública realizada pela agência em 2019", argumentou o Idec, em nota.

O Laboratório de Design de Sistemas de Informação da Universidade Federal do Paraná, que auxiliou no desenvolvimento do modelo de triângulos apresentado pelo Idec, também emitiu um parecer contrário. "Apesar de a Anvisa manter o símbolo da lupa da proposta inicial, o atual desenho diferencia-se em seu design da informação, comprometendo a legibilidade, clareza e simplicidade gráficas. A legibilidade do novo modelo proposto ainda fica comprometida com uso de tipografia em corpo muito reduzido e diminuição do espaço ocupado pelo rótulo na face frontal das embalagens", informou o documento da universidade.

"A alteração do desenho do rótulo, diminuição do corpo tipográfico e do espaço de ocupação da rotulagem frontal não possuem evidência científica de sua eficácia comunicativa, visto que não foram testados no Brasil, particularmente quanto à visibilidade e legibilidade das informações. Desta forma, a proposta da Anvisa na Instrução Normativa é frágil, carecendo de fundamentação sólida de pesquisa", acrescentou o documento.

Assim como o Idec, a Associação Brasileira de Nutrição (Asbran), pedia pela adoção da rotulagem com o formato triangular. "Esta proposta foi apoiada por 26 especialistas e pesquisadores referências mundiais no estudo sobre obesidade, diabetes e nutrição em saúde pública. Também recebeu apoio da FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura)", justifica a associação.

Mas, na avaliação da direção da Anvisa, a lupa cumpre o papel de “possibilitar a compreensão, respeitando a liberdade de escolha de todas as pessoas que vivem no nosso território”, como ressaltou a diretora relatora Alessandra Bastos. “O objetivo dessa norma não é impor nenhuma escolha”, completou.

“Com a nova regra, os consumidores terão mais facilidade para comparar os alimentos e decidir o que consumir. Além disso, pretende-se reduzir situações que geram engano quanto à composição nutricional”, destacou Thalita Lima, gerente geral de Alimentos da Agência.

Tabela

Segundo a Anvisa, também ganharão novos traços as tabelas com informações nutricionais. Elas terão de ser escritas com letra preta e fundo branco, a fim evitar contrastes que atrapalhem na legibilidade das informações.

A identificação de açúcares totais e adicionais, além da declaração do valor energético e nutricional por 100g ou 100ml, passará a ser obrigatória. A tabela, necessariamente, terá que estar próxima à lista de ingredientes e em superfície contínua, não sendo aceitas quebras. As informações não poderão ser impressas em superfícies deformadas ou de difícil visualização.

A nova regra será publicada nos próximos dias no Diário Oficial da União (DOU) e entrará em vigor dois anos após a publicação. No entanto, será permitido um prazo de um ano de adequação aos produtos que já estiverem no mercado quando a norma entrar em vigor.

Os alimentos fabricados por empresas de pequeno porte, como agricultores familiares e microempreendedores, terão um prazo de adequação de até quatro anos. Para as bebidas não alcoólicas em embalagens retornáveis, a adequação não pode exceder três anos após a entrada em vigor da resolução.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Polícia Federal vai usar drones para fiscalizar irregularidades nas eleições
Rhaldney Santos entrevista Dr. João Gabriel Ribeiro, neurocirurgião
Rhaldney Santos entrevista Armando Sérgio (Avante)
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #179 - Coração dos vertebrados
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco