Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

SAÚDE

Setembro roxo marca o mês de conscientização para doença de Alzheimer

Publicado em: 08/09/2020 09:33 | Atualizado em: 08/09/2020 12:08

 (1,2 milhão de brasileiros convive com a condição neurodegenerativa progressiva, que se manifesta sobretudo na deterioração cognitiva e da memória de curto prazo. Foto: Pixabay / Divulgação)
1,2 milhão de brasileiros convive com a condição neurodegenerativa progressiva, que se manifesta sobretudo na deterioração cognitiva e da memória de curto prazo. Foto: Pixabay / Divulgação
A maioria das pessoas tem uma história para contar sobre a doença de Alzheimer, seja porque vivenciou a experiência com alguém da família ou soube do caso através de um conhecido. Afinal, trata-se da condição degenerativa mais frequente que existe e cuja característica marcante é a perda da memória de curto prazo. 

Segundo a Associação Brasileira de Alzheimer, 1,2 milhão de brasileiros convive com esse mal e, em 2050, a estimativa é que esse número chegue a 4 ou 5 milhões. Embora a causa ainda seja desconhecida, acredita-se que haja um fator genético determinante, além da idade.  “Os neurônios precisam se comunicar perfeitamente para enviar as informações ao cérebro. Quando essa comunicação falha, devido a alterações tóxicas, eles morrem, e os sintomas típicos do Alzheimer começam a aparecer”, explica o neurocirurgião Breno de Macêdo.

Cientistas responsabilizam duas proteínas pelo processo degenerativo: Beta-amiloide e Tau, já que o acúmulo dessas substâncias leva ao encolhimento de algumas áreas do cérebro, como o hipocampo, responsável pela memória e aprendizado. Por esta razão, existem pesquisas sugerindo que quanto mais anos de educação que uma pessoa tem, menor é a chance de desenvolver a doença quando se tornar idosa. “Acredita-se que uma mente estimulada intelectualmente desde a infância terá uma maior rede de conexões interneurais, podendo retardar o surgimento dos sintomas”, argumenta. 

O neurocirurgião explica que para se chegar a um diagnóstico é necessário investigar uma série de fatores, a fim descartar outras possíveis patologias, além de exames e testes, mas alguns sintomas servem de alerta e como direcionamento. São eles: perda de memória de atividades recentes; desorientação no tempo e espaço; dificuldade de raciocínio; alteração na personalidade e dificuldade de comunicação. 

O Alzheimer ainda não tem cura, mas o tratamento, dividido em fases a fim de planejar cada etapa, ajuda a adiar o avanço da doença e tentar oferecer qualidade de vida ao paciente. “Ainda não temos uma medida preventiva específica, mas cultivar bons hábitos, que incluem alimentação balanceada, prática de exercícios físicos, ter um hobby, conversar com amigos, manter a mente sempre ativa, através de jogos e leitura, são alternativas positivas”, conclui. 

SERVIÇO

Consultório Gruner
Empresarial RioMar Trade Center, Torre C, Sala 201
Av. República do Líbano, 251 - Pina, Recife - PE, 51110-160
Fone: 999960140 (agendamento por celular ou WA)
Quarta: 9h às 12h | 14h às 17h

Local: Neuron
R. das Fronteiras, 127 - 8º andar - Boa Vista, Recife - PE, 50070-170
Fone: 32210605
Sexta: 8h às 12h

Local: Hospital Esperança (Consultórios Especializados)
Rua Francisco Alves, 445. Acesso pelo centro de diagnósticos – 5º andar
Fone: 982282368 (agendamento por celular ou WA)
Sexta: 13h30 às 16h
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
De 1 a 5: Entenda por que a inflação dos alimentos disparou
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #259 O que é uma planta?
Rhaldney Santos entrevista Rodrigo Novaes e Otaviano Maroja
Rhaldney Santos entrevista o desembargador do TJPE Erik Simões
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco