Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

RELIGIÃO

Sem fé, jovens do Brasil são 'zumbis existenciais', diz ministro da Educação

Por: FolhaPress

Publicado em: 10/09/2020 14:32

 (Foto: Isac Nóbrega/Presidência da República
)
Foto: Isac Nóbrega/Presidência da República
O ministro da Educação, Milton Ribeiro, afirmou nesta quinta-feira (10) que uma parcela dos jovens brasileiros se tornou "zumbis existenciais" que não acreditam mais em Deus.

Em evento de lançamento de políticas contra a mutilação e o suicídio, o ministro, que também é pastor presbiteriano, avaliou que o mundo vive um momento de "desconstrução de tudo", o que deixa o público jovem sem referência ou motivação.

"Nós temos hoje no Brasil, motivados creio eu, meu diagnóstico, por essa quebra de absolutos e de certezas, verdadeiros zumbis existenciais. Não acreditam mais em nada, desde Deus a política. Eles não têm nenhuma motivação", disse.

No seu discurso, o ministro afirmou ainda que a juventude tem vivido um "vazio existencial", o que, na opinião dele, estimula adolescentes a viverem sem propósito e a tirarem "a própria vida".

Especialistas em prevenção ao suicídio alertam que não há evidência de relação entre religiosidade e suicídio e pedem que a população tenha cuidado para não espalhar o que chamam de mitos prejudiciais.

"Nós vivemos em um tempo de desconstrução de tudo. De tudo o que é valor, de tudo o que é absoluto. De todas as certezas da vida", disse. "Não há mais uma juventude que acredite nas coisas como Deus, religião, política e família. Eles perdem totalmente o referencial", ressaltou.

Segundo ele, a "grande moda dos sociólogos e filósofos" é desconstruir valores e ideias e não colocar "nada no lugar", "deixam um vazio".

No discurso, o ministro criticou ainda o conteúdo de materiais didáticos que, na visão dele, oferecem pontos de vista que não são adequados para a faixa etária indicada.

"Quando olho os livros no Ministério da Educação, livros antigos, vejo algumas críticas que seriam próprias, talvez, para um quase jovem, não para uma criança de sexto ano", disse. "São discussões e desconstruções históricas que, para mim, não são oportunas naquela faixa etária", ressaltou.

Ribeiro foi escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro em um aceno tanto à bancada evangélica como ao núcleo ideológico da Esplanada dos Ministérios.
No passado, antes de assumir a pasta, ele defendeu educar crianças com "dor". "A correção é necessária para a cura. Não vai ser obtido por meios justos e métodos suaves", disse.

O uso de castigo físico em crianças foi proibido pelo ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), após a sanção da Lei da Palmada, em 2014, que alterou a lei que dispõe sobre o estatuto.

Dessa forma, foi estabelecido que crianças sejam educadas e cuidadas sem o uso de castigo físico ou de "tratamento cruel ou degradante, como formas de correção, disciplina, educação".
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Pantanal: o pior incêndio da história
Resumo da semana: escolas seguem fechadas, incêndio no Pantanal e mais leitos de UTI pediátrica
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #Aulão: tudo sobre botânica
Rhaldney Santos entrevista a oftalmologista Larissa Ventura
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco