Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

Goiás

Padre pede afastamento após ser investigado por desvio de dinheiro doado por fiéis

Publicado em: 22/08/2020 14:54 | Atualizado em: 22/08/2020 15:12

 (Reprodução/Facebook)
Reprodução/Facebook

O Ministério Público de Goiás investiga diversos crimes supostamente cometidos por dirigentes das três associações ligadas à Igreja Católica na cidade de Trindade, em Goiás. A Operação Vendilhões, deflagrada nesta sexta-feira (21), mira possíveis desvios do dinheiro das doações de fiéis realizados pelo padre Robson de Oliveira Pereira. Ele é presidente da Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe), Associação Filhos do Pai Eterno e Perpétuo Socorro e Associação Pai Eterno e Perpétuo Socorro.

No fim da tarde desta sexta, o padre Robson pediu afastamento de suas funções do Santuário Basílica do Divino Pai Eterno e da Afipe. A informação foi divulgada pela Arquidiocese de Goiânia, que declarou que o sacerdote deve permanecer afastado ‘até que se esclareçam todos os fatos’. No lugar de padre Robson assume o padre André Ricardo de Melo, provincial dos Missionários Redentoristas de Goiás.

A arquidiocese afirmou ter sido ‘surpreendida’ com a ação do MP, mas aceita ‘com humildade’ as investigações. A entidade afirmou, também, que está, junto a Província dos Missionários Redentoristas de Goiás, ‘aberta para apurar com transparência quaisquer denúncias em desfavor de seus membros’.

A operação

Segundo o MPGO, que chegou a pedir a prisão do padre Robson, negada pela Justiça, são investigados possíveis crimes de apropriação indébita, lavagem de dinheiro, organização criminosa, sonegação fiscal e falsidade ideológica. Foram bloqueados judicialmente R$ 60 milhões em bens imóveis e valores em contas bancárias dos envolvidos.

De acordo com o promotor de Justiça Sebastião Marcos Martins, que coordenou a ação, uma movimentação financeira equivalente a R$ 1,7 bilhão está sendo analisada. A fraude não atinge todo esse valor, mas, a partir da documentação apreendida, o MP irá apurar o montante eventualmente desviado.

O dinheiro, proveniente de doações dos católicos para a construção da nova Basílica em Trindade – conhecida como ‘capital da fé de Goiás’ – teria sido usado na compra de imóveis, propriedades rurais, cabeças de gado e emissoras de rádio. Entre os imóveis ligados ao padre Robson está uma chácara com piscina aquecida.

Um imóvel de R$ 2 milhões na Praia de Guarajuba, na Bahia, teria sido comprado à vista pela Afipe, em 2014. A compra foi efetuada de uma empresa chamada Sistema Alpha de Comunicação, que também é investigada.

“As contas bancárias da Afipe foram usadas para comprar fazendas, residências em condomínio fechado, apartamentos em São Paulo e Goiânia, fazendas em todo o Brasil, mineração. Quer dizer, a Afipe é hoje uma grande empresa. Ela tem o argumento religioso, mas se converteu em uma grande empresa no Estado de Goiás que explora inúmeras atividades, agropecuária e mineração, compra inúmeros imóveis e vende inúmeros imóveis”, disse o promotor Sebastião Marcos Martins.

A investigação que resultou na Operação Vendilhões teve início em 2019, a partir da condenação de um grupo criminoso que praticou extorsão contra padre Robson.

Na ocasião, cinco pessoas exigiram mais de R$ 2 milhões para que não fossem divulgadas imagens e mensagens eletrônicas com informações pessoais, amorosas e profissionais que prejudicassem a imagem do religioso.

O processo foi enviado ao Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Goiás, para descobrir a origem do dinheiro utilizado para pagamento de parte do valor ao grupo criminoso. 

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Equipamento desenvolvido pela UFPE elimina o coronavírus de ambientes de forma automatizada
ONU marca reunião para discutir a crise no Oriente Médio
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 14/05
Cuba inicia vacinação contra a Covid-19 com imunizante próprio
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco