Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

SÃO PAULO

Justiça de SP suspende decreto de Doria que altera composição de conselho do patrimônio

Por: FolhaPress

Publicado em: 17/05/2019 11:21 | Atualizado em: 17/05/2019 11:39

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

A Justiça de São Paulo expediu nesta quinta-feira (16) liminar que suspende o decreto do governador João Doria (PSDB) que altera a composição do Condephaat, órgão estadual de preservação do patrimônio.


A decisão, assinada pelo juiz Otavio Tioiti Tokuda, da 10a Vara de Fazenda Pública, atende a ação civil em que o Ministério Público de São Paulo requeria a nulidade do decreto e que o conselho mantivesse a composição anterior até que uma lei estabelecesse nova regulamentação.


O Condephaat foi criado há 50 anos por uma lei, e o entendimento da Promotoria era que sua alteração por decreto era inconstitucional.

 

A reportagem procurou a Secretaria de Cultura e Economia Criativa para comentar a decisão da Justiça, mas não recebeu resposta até a publicação deste texto.


Segundo a Promotoria, a paridade do conselho ficou prejudicada, pendendo a favor do governo na nova composição, que reduziu o corpo total de 30 para 24 conselheiros.


Na alteração promovida por Doria, a participação dos representantes de universidades paulistas, principal corpo técnico do conselho, caiu de 14 para 5 assentos -4 professores e 1 representante do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP.


Esses nomes seriam definidos, em última instância, pelo governador, a partir de lista tríplice enviada pelas instituições.


Na sequência da publicação do decreto, mais de 160 professores universitários assinaram carta repudiando a edição da medida.


O decreto também criava três vagas destinadas a profissionais de notório saber, a serem escolhidos pelo governo.


Após a medida, três entidades internacionais requisitaram que representantes seus ocupassem esses assentos, por não haver clareza quanto aos critérios técnicos a serem utilizados pelo governo na seleção desses três conselheiros.


O pedido foi enviado em carta protocolada em 22 de abril na Secretaria de Cultura e Economia Criativa, da qual depende o Condephaat.


Na carta, o Icomos (Conselho Internacional de Monumentos e Sítios), o TICCIH ("Ticky", Comitê Internacional para a Conservação do Patrimônio industrial) e o Docomomo (Comitê Internacional para Documentação e Conservação de Edifícios, Locais e Bairros do Movimento Moderno) dizem reconhecer a necessidade de mudança na composição do conselho, mas defendem que essa se dê por lei, mesmo argumento apresentado pela Promotoria.


As três entidades organizam, com o apoio do CAU-SP (Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo), um seminário para debater o papel do Condephaat e uma nova composição do conselho, que garanta o papel de especialistas representantes seus e das universidades.

 

O CAU-SP havia solicitado, ainda em 2018, sem obter resposta, um lugar no conselho, cuja renovação deveria ter ocorrido em 2019 -o quadro vence a cada dois anos e o novo grupo deveria ter se reunido já em março.


A última reunião do órgão, que delibera sobre questões como tombamentos, reformas em bens tombados e delimitação de áreas de proteção, ocorreu em 25 de fevereiro.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão
De 1 a 5: entenda as diferenças entre os tipos de exames para a Covid-19
Bolsonaro convida Temer para missão no Líbano
Rhaldney Santos entrevista o pré-candidato à prefeitura de Jaboatão Adelson Veras
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco