Diario de Pernambuco
Busca

COLUNA

Novo golpe do pix do imposto de renda

Publicado em: 07/06/2023 08:00 | Atualizado em: 07/06/2023 20:06

 (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Anualmente os golpistas buscam aplicar seus golpes aproveitando determinada data, período ou situação. Pode ser uma data comemorativa como São João, uma época de celebração como Natal, ou mesmo, situações pontuais como a Black Friday, são eventos que ocorrem ao longo do ano e se repetem, como o pagamento do 13º, do Imposto de Renda, entre outros.

O "golpe do Pix do Imposto de Renda" é uma fraude financeira que tem por objetivo enganar pessoas durante o período de declaração do Imposto de Renda ou após esse período, mas com fundamento no IR.

Nesse golpe, os fraudadores entram em contato com as vítimas. Isso pode ocorrer por meio de ligações telefônicas, SMS, mensagens de WhatsApp e e-mail, normalmente se passando por funcionários da Receita Federal ou de instituições financeiras, o objetivo pode ser tanto de obter da vítima informações confidenciais quanto para auferir vantagem financeira.

Em 2023 uma nova abordagem foi percebida, os golpistas enviam mensagens por WhatsApp, dizendo que enviaram determinada quantia via Pix para a vítima “sem querer” e pedem o valor de volta.

Para ficar mais claro, é preciso compreender que o primeiro lote de restituição do IR começou em 31 de maio, esta restituição é voltada para idosos acima de 80 anos, contribuintes entre 60 e 79 anos, pessoas com alguma deficiência física ou mental ou moléstia grave, contribuintes cuja maior fonte de renda seja o magistério e contribuintes que não possuem prioridade legal, mas que receberam prioridade por terem utilizado a declaração pré-preenchida ou optado por receber a restituição via Pix.

O golpista munido com as informações do contribuinte e ciente que o valor da restituição foi depositado na conta, entra em contato dizendo que é da Receita Federal ou da instituição bancária e que transferiu o valor equivocadamente e pedem que o valor seja restituído e informam o PIX para a restituição.

A potencial vítima confere a conta, e verifica que o valor mencionado bate com o recebido pelo contribuinte, por isso tende a acreditar na conversa do golpista.

O golpe leva a crer que os golpistas possuem informações privilegiadas - sejam provenientes de acessos indevidos ao sistema ou obtidas a partir de vazamentos - O fato é que, o contato pode levar a potencial vítima a cair no golpe e “devolver” o PIX.

Pessoas das instituições financeiras contatadas, que não quiseram se identificar, suspeitam de um possível vazamento de dados da base da Receita Federal.

Se a vítima concluir a “devolução” via PIX passará a sua restituição para os golpistas, caindo no golpe.

Mas, atenção, não se apegue apenas a essa abordagem, os golpistas podem criar diversas variações do golpe, entre elas pode dizer que há problemas na sua declaração do Imposto de Renda, ou ainda, que houve uma falha durante o processo de declaração. Por sua vez, o contribuinte se desespera e baixa a guarda na tentativa de resolver o problema e cai no golpe.

Nesse contexto, as opções são inúmeras, eles podem solicitar que a potencial vítima faça um Pix ou transferência bancária para uma conta fornecida por eles para regularizar a situação, ou podem pedir para a vítima preencher um cadastro com os seus dados pessoais para realizar o suposto depósito. Podem sugerir que o pagamento da suposta pendência seja realizado através de cartão de crédito e passar o link do pagamento, ou ainda, podem pedir que a vítima informe o número que chegou por SMS para confirmar que se trata realmente da contribuinte (capturando o WhatsApp da vítima).

Embora o contato inicial seja fundamentado no IR, as abordagens podem seguir vários caminhos. Então atente não apenas ao que foi explanado incialmente nesse texto, desconfie sempre.

Para evitar cair nesses tipos de golpes, é importante tomar algumas precauções:
Desconfie de contatos inesperados: A Receita Federal não entra em contato por telefone, e-mail ou redes sociais para solicitar pagamentos relacionados ao Imposto de Renda. Desconfie de qualquer comunicação que exija pagamentos imediatos.

Confira a veracidade: Caso receba uma ligação ou mensagem suspeita, entre em contato diretamente com a Receita Federal ou sua instituição financeira para confirmar a veracidade da solicitação. Atenção - Não ligue nunca do mesmo dispositivo que recebeu a chamada eles podem interceptar a sua ligação.

Nunca compartilhe informações pessoais e bancárias: Não forneça dados pessoais, números de cartão de crédito, senhas, números de SMS ou qualquer informação por telefone, e-mail ou mensagem. Não preencha cadastros e não faça pagamentos sem antes confirmá-los.

Mantenha-se informado: Esteja atualizado sobre os tipos de golpes mais comuns e fique atento às dicas de segurança.

Em caso de suspeita de fraude ou tentativa de golpe, denuncie imediatamente às autoridades competentes e se cair no golpe faça um Boletim de Ocorrência, e informe sua instituição financeira para tomar as medidas necessárias.

Após buscar agência, SAC ou Ouvidoria da própria instituição bancária para a solução dos problemas identificados, você pode registrar uma reclamação junto ao Banco Central (BC), em até 45 dias corridos da ocorrência do fato objeto da reclamação.

O PIX está se aprimorando visando reduzir número de fraudes, e segundo Breno Lobo, consultor na Gerência de Gestão e Operação do Pix, “O resultado dessas mudanças é uma maior eficácia no combate à fraude, uma vez que as instituições passarão a ter melhores subsídios para aprimorar os próprios modelos de prevenção e detecção de fraude. Na prática, as instituições terão melhores condições de atuar preventivamente (rejeitando transações fraudulentas ou bloqueando cautelarmente os recursos) e, em última instância, resultará em maior proteção aos usuários”.

De acordo com o Banco Central (BC), as novas medidas entrarão em vigor em 5 de novembro, isso porque será necessário ajustes no sistema para possibilitar o aprimoramento.

COMENTÁRIOS

Os comentários a seguir não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.