Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

FESTIVAL

Festival Vibra evidencia protagonismo das pessoas com deficiência no mundo das artes

Publicado em: 29/11/2021 21:32

 (Foto: Divulgação)
Foto: Divulgação

Para fortalecer o protagonismo das pessoas com deficiência nas diversas linguagens artísticas, vem aí a primeira edição da Virada Inclusiva Brasileira, o Vibra. O evento nacional de artes múltiplas acontece de forma totalmente online, com transmissão pelo Youtube, iniciando as atividades no dia 3 de dezembro – Dia Internacional da Pessoa com Deficiência –, e seguindo até o dia 7 do mesmo mês. Na programação, que é gratuita, exposições fotográficas, oficinas, performances artísticas, mostra audiovisual com obras realizadas ou protagonizadas por pessoas com deficiência, lives e muito mais.

Segundo as produtoras do evento, as recifenses Liliana Tavares, da Com Acessibilidade Comunicacional, e Germana Pereira, da Tangram Cultural, o Vibra foi criado especialmente para evidenciar a arte produzida por pessoas com deficiência e promover uma reflexão em torno da produção de uma arte por e para todos. Assim, artistas surdos, cegos, com paralisia cerebral e com síndrome de Down farão parte ativamente da programação, não apenas como espectadores, mas como protagonistas, como artistas talentosos e competentes que, por acaso, também possuem alguma deficiência.

De acordo com elas, o projeto foi inspirado na Virada Inclusiva do Estado de São Paulo. “Mas resolvemos ampliar essa ideia para todo país e convidar artistas com deficiência e acadêmicos que pesquisam sobre inclusão e acessibilidade para interagir e compartilhar seus saberes”, explicam. Dessa forma, elas buscam estimular pessoas que trabalham na área artística a pensar e agir de forma mais inclusiva. A opção pelo formato web foi devido à pandemia da Covid 19, mas não somente. A intenção é também a de tornar os conhecimentos oferecidos no Vibra acessíveis para um número maior de pessoas.

Vale ressaltar que toda a programação do Vibra, uma iniciativa financiada pelo Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura (Funcultura-PE), do Governo de Pernambuco, conta com o auxílio das três acessibilidades, que são: audiodescrição, língua brasileira de sinais (Libra) e legenda para surdos e ensurdecidos (LSE).

Mais sobre a programação

A programação do Vibra será aberta às 10h, no dia 3, uma sexta-feira, com a live “Visibilidade da pessoa com deficiência”, comandada por Fernanda Honorato (RJ), Felipe Gervásio (PE) e Tatiana Martins (PE). O bate papo, que abordará a visibilidade da pessoa com deficiência nas artes e os aspectos que podem ser melhorados quando o assunto é inclusão, abre as atividades das exposições fotográficas.

Assim, o festival apresenta a exposição “Um Outro Olhar”, com uma seleção de 22 imagens que retratam a beleza, resiliência e autoestima de pessoas com deficiência em Pernambuco, como fruto de um projeto realizado pela ONG Deficiente Eficiente, em parceria com a Unicap, e organização de Renata Victor e Carolina Monteiro; e a exposição “Por Contato”, com 72 imagens produzidas por artistas pernambucanos surdos, com curadoria dos fotógrafos e arte-educadores Mateus Sá, Vládia Lima, Rachel Ellis e Eduardo Queiroga. A mostra é resultado de um trabalho desenvolvido pelo grupo FotoLibras, que visa diminuir as barreiras comunicacionais entre surdos e ouvintes.

Também na sexta, às 15h, a live “O protagonismo da pessoa com deficiência no cinema” marcando a abertura da mostra audiovisual. Na conversa, Lara Pozzobon (EUA) e Daniel Gonçalves (RJ) falam sobre o cinema como instrumento de expressão e representação da pessoa com deficiência.

A mostra audiovisual do Vibra traz curtas e longas-metragens realizados ou protagonizados por pessoas com deficiência. Serão três sessões. A primeira, “Assim Vivemos”, apresenta as obras “Mona”, “Meu nome é Daniel” e “O Artista e a Força do Pensamento”.

Na sessão Prêmio Serviço de Acessibilidades VerOuvindo, as obras pernambucanas: “EthxôNanduya”, “Inabitável” e “Mini Miss”. Fechando a mostra audiovisual, a sessão “Viradinha”, com a série pernambucana completa “Bia Desenha”.

Às 18h da sexta (3) rola a live “Poesia em Libras, ampliando o público por meio da tradução”, com Alan Godinho (PE) e Anderson Almeida (PI) conversando sobre a poesia no universo surdo, as possibilidades de traduções entre as duas línguas e a expansão desse gênero para mais adeptos. Fechando o dia, às 20h, acontece a live “Dança e corpos singulares”, com Edu O (BA) e Daniella Forchetti (SP) dialogando sobre formas de dançar alternativas à dinâmica bípede.

No sábado (4), a programação recomeça às 10h com a live “Kubeo, o encantado”, com Raquel Kubeo (RS), que, através da contação de histórias, transporta o público para uma viagem à origem da humanidade segundo a narrativa do povo Kubeo e em seguida dialoga com Elisabet Sá (MG) sobre narrativas literárias, acessibilidade e inclusão.

Às 15h é a vez da live “A linguagem fotográfica e seus diversos olhares”, com Teco Barbero (SP) e Mariana Hora (PE), deficientes visual e auditivo, respectivamente, que contam suas experiências pessoais de acesso à arte fotográfica. Logo depois, às 18h, entra em cena a live com a performance “Não importa a pergunta, a resposta é o amor”, com Dudu do Cavaco (MG), Leo Gontijo (MG) e Maestro Daniel Viana (MG) interpretando, ao vivo, sucessos da MPB.

Fechando o sábado, às 20h, Dudu do Cavaco (MG) e Leo Gontijo (MG) voltam à programação com a live “Música e inclusão”, com a presença de Maria Aída Barroso (PE). Assim, os artistas conversarão sobre suas atuações em projetos de inclusão por meio da música.

O domingo (5) do Vibra inicia às 10h com o Sarau de Poesia, um espaço aberto a poetas para livre expressão e manifestação artística tendo como mote “arte e resistência”. Depois, às 15h, contação com a história “Abayomi: a boneca preta brasileira”, com a artesã Lena Martins (RJ) e vovó Tuninha, a maior boneca feita por ela. Na conversa, elas falam sobre a origem e os significados da Abayomi, boneca preta brasileira.

Às 18h, o público poderá conferir a live “A realidade das salas de cinema e dos filmes acessíveis”, com Michele de Paula (SP) falando sobre a sua primeira experiência numa sala de cinema acessível. Também participam da conversa Michele Alheiros (PE) e Alessandro Vasconcelos (PE). Às 20h é a vez da live “O teatro e suas possibilidades”, com Moira Braga (RJ) e Carolina Teixeira (RN) em um papo sobre seus trabalhos no campo das artes cênicas e da acessibilidade.

Na segunda (6) e na terça-feira (7) serão realizadas oficinas para diferentes turmas. Assim, às 10h Kilma Coutinho (PE) comanda a oficina “Expressar em forma de Desenho”. Depois, às 14h, é a vez da arte-educadora Gabi Severien (PE) ministrar a oficina “Boneca Abayomi”; fechando a programação, das 17h às 19h, Felipe Monteiro (RJ) comanda a oficina “Musicalização Acessível”, compartilhando saberes, por meio de exemplos práticos, sobre como o processo de musicalização torna-se igualitário e possível para as pessoas com deficiência visual (cegas e com baixa visão) graças ao auxílio da audiodescrição.

Ao longo dos cinco dias de programação, o público também poderá conferir cinco performances artísticas autorais, como o espetáculo “O que você vê!”, de Moira Braga (RJ), que propõe uma reflexão sobre o sentido da visão através de um jogo de palavras, gestos e movimentos. Outro espetáculo é o “Ah, se eu fosse Marylyn!”, do professor, coreógrafo, dançarino, ator e escritor Edu O (BA), que trata das expectativas criadas da vida, da passagem do tempo e das rotas tomadas.

Também há o “Fotografia dos Sentidos”, com Teco Barbero (SP), um fotógrafo que possui apenas 5% da visão mostrando técnicas de fotografia que utilizam outros sentidos, como tato, audição e percepção; o “Recife Vibrante”, com Alan Godinho (PE) levando o público a um passeio pelo Marco Zero, no Recife, num convite a apreciação da beleza e a poética da cidade; e “Um Olhar Diferente”, com Michele de Paula (SP) conduzindo o público, através de suas lentes, a experienciar o seu olhar o seu olhar num passeio pela Rua Augusta até a Avenida Paulista, em São Paulo, para a sua primeira experiência numa sala de cinema acessível.

SERVIÇO: Vibra – Virada Inclusiva Brasileira

Quando: De 03 a 07 de dezembro de 2021
Como: Performances artísticas e bate-papos (sexta, sábado e domingo, iniciando às 10h, 15h, 18h e 20h; oficinas (segunda e terça, iniciando às 10h, 14h e 17h)
Onde: https://www.youtube.com/channel/UCHeqN91qRRwnY6kD1eCnYvg
Quanto: 100% gratuito
Acessibilidade: Tradução em Libras, audiodescrição e LSE nas atividades assíncronas.
Mais informações: @vibra.viradainclusivabr
A programação completa do Festival Vibra – Virada Inclusiva Brasileira está no link da bio do Instagram oficial do evento @vibra.viradainclusivabr

 

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Morre Olavo de Carvalho, considerado guru do bolsonarismo
Manhã na Clube: entrevistas com André de Paula (PSD), Eduardo Cavalcanti e Epitacio Rolim
OMS: é possível encerrar fase aguda da pandemia este ano
Manhã na Clube: entrevistas com Carlos Veras (PT), Frederico Menezes e Marlon Malassa
Grupo Diario de Pernambuco