Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

ENCONTRO

Em reunião com o Procon-PE, entidades discutem alta dos alimentos

Publicado em: 21/10/2021 13:10

Órgão estadual deverá intensificar fiscalizações para coibir prática abusiva e comércio de produtos vencidos (Ray Evllyn/SJDH)
Órgão estadual deverá intensificar fiscalizações para coibir prática abusiva e comércio de produtos vencidos (Ray Evllyn/SJDH)
Com a inflação em alta e o agravemento da dificuldade financeira enfrentada por uma parcela da população, o Procon Pernambuco realizou nesta quinta-feira (21), um encontro com representantes do Ministério Público, da Delegacia do Consumidor e das Associações Pernambucanas de Supermercados (Apes) e de Atacadistas e Distribuidores (Aspa), para discutir a alta nos preços dos produtos alimentícios no estado.

Durante a reunião, que contou com a participação do secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, foi questionada a elevação dos preços aplicados aos produtos, especialmente os que compõem a cesta básica. “Convocamos essa reunião para entender a situação e buscar soluções que minimizem esses impactos no bolso do consumidor. O cenário econômico é difícil, sem perspectiva de melhora e nós precisamos encontrar meios de socorrer os mais vulneráveis”, detalhou o secretário.

Para o presidente da Apes, João Alves, a elevação dos últimos meses se deu em razão da alta no combustível e da energia elétrica. “O aumento vem da indústria e, infelizmente, precisamos repassar”, disse. Ainda segundo Alves, o faturamento dos atacadistas também registrou grande queda. “O consumidor final, em razão das dificuldades financeiras, teve seu poder de compra reduzido e só está indo ao supermercado em busca de promoções”, acrescentou.

Representante do MPPE, a promotora de Justiça de Paulista Elisa Cadore Folleto, afirmou que o cenário atual e desafios impostos à economia, tendo como resultado as altas provenientes da pandemia, são reais, mas “não é possível descartar a necessidade de verificar se esses repasses são realmente legais ou se há a prática de cobranças abusivas”.

O secretário Pedro Eurico informou, ainda, que irá intensificar as fiscalizações que já vêm sendo realizadas pelo Procon Pernambuco nos supermercados para coibir práticas abusivas, especialmente o comércio de produtos com prazo de validade vencido, e que irá convocar novos atores ligados à temática para estender o debate e encontrar soluções eficazes e que realmente cheguem às famílias pernambucanas.

Além disso, um procedimento administrativo será instaurado para ampliar a análise dos  fatores que estão influenciando no aumento desses produtos e uma nova reunião, desta vez com a presença de representantes da Secretaria da Fazenda (Sefaz), Dieese e da indústria estadual e nacional deverá ser realizada na próxima semana.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Carnaval: a tragédia anunciada de uma nova onda de Covid-19
Bolsonaro vê como provocação recepção de Lula por Macron
Manhã na Clube: entrevistas com Laura Gomes (PSB), Micaelly Duarte e José Lopes
Movimento Educar: panorama completo de matemática para o Enem
Grupo Diario de Pernambuco