Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

ATOS ANTIDEMOCRÁTICOS

Moro fala em ligação de Carlos Bolsonaro com gabinete do ódio

Publicado em: 27/11/2020 21:32

 (Foto: Agência Brasil )
Foto: Agência Brasil
O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro disse em depoimento à Polícia Federal que foi alvo do chamado “gabinete do ódio”, uma rede formada por pessoas que integram a ala ideológica do governo e realizam ataques via redes sociais contra pessoas e instituições. Segundo o ex-juiz federal, que ganhou destaque após atuação na Lava-Jato do Paraná, ele passou a ser atingido pelo grupo quando saiu do governo, ocasião em que apontou que o presidente Jair Bolsonaro teria tentado interferir na PF para proteger amigos e familiares.

No depoimento, Moro disse ainda que os ministros de Estado comentam sobre a ligação do vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (Republicanos), o 02 do presidente, com o grupo. As informações foram divulgadas pelo jornal O GLOBO nesta sexta-feira (27) e confirmadas pelo Correio com uma fonte ligada à investigação.

Ditadura militar
O ex-ministro foi ouvido pela PF na condição de testemunha. O inquérito em questão, que tem como relator o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, investiga organização e financiamento de atos antidemocráticos. A investigação teve início em abril deste depois de uma manifestação no Dia do Exército com a presença do presidente Jair Bolsonaro. Na época, já se tornara comum protestos com faixas pedindo o fechamento do Congresso, STF e retorno da ditadura militar.

O próprio Alexandre de Moraes já citou o gabinete do ódio no inquérito das fake news, que investiga informações falsas e ataques contra os ministros do Supremo. Em pedidos de prisões e busca e apreensão, o ministro já falou sobre o grupo e disse de suspeita de que seria uma associação criminosa.

O ex-ministro foi ouvido pela PF na condição de testemunha. O inquérito em questão, que tem como relator o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, investiga organização e financiamento de atos antidemocráticos. A investigação teve início em abril deste depois de uma manifestação no Dia do Exército com a presença do presidente Jair Bolsonaro. Na época, já se tornara comum protestos com faixas pedindo o fechamento do Congresso, STF e retorno da ditadura militar.

O próprio Alexandre de Moraes já citou o gabinete do ódio no inquérito das fake news, que investiga informações falsas e ataques contra os ministros do Supremo. Em pedidos de prisões e busca e apreensão, o ministro já falou sobre o grupo e disse de suspeita de que seria uma associação criminosa.

Animosidade
Ainda à PF, ao ser questionado se sabia da estrutura do “gabinete do ódio” dentro do governo, a fim de atacar outros poderes e autoridades, Moro afirmou que sabia dos ataques apenas por meio das redes sociais, mas falou sobre um “animosidade” entre Bolsonaro e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). O ex-ministro ainda indicou à PF que fossem ouvidos outros ministros de Estado para que prestassem maiores esclarecimentos sobre o referido gabinete.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Verão inspira cuidados com a saúde e alimentação
Resumo da semana: enfim, a vacina, posse de Biden e cerco contra os fura-filas
Rede de voluntários faz diferença em Manaus
Enem para todos com o professor Fernandinho Beltrão - Algas e fungos
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco