Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

DECLARAÇÃO

"Seria insanidade privatizar o SUS", diz Guedes

Publicado em: 29/10/2020 13:18

 (FOTO: MINERVINO JUNIOR/C.B/D.A Press)
FOTO: MINERVINO JUNIOR/C.B/D.A Press
O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que seria uma insanidade e um contrassenso falar na privatização do Sistema Único de Saúde (SUS). Ele admitiu, entretanto, que o governo pensa em fazer parcerias com a inciativa privada para a conclusão de mais de 4,5 mil unidades de saúde. Explicou que, neste caso, o governo daria vouchers para que os brasileiros pudessem ser atendidos.

"Seria um contrassenso falar em privatizar o SUS. O SUS é uma rede descentralizada de atendimento à saúde pública. [...] Falar sobre as privatizações seria uma insanidade", disse Guedes, ao ser questionado sobre o assunto, nesta quinta-feira (29), em audiência da Comissão Mista da Covid-19 do Congresso Nacional.

Guedes afirmou que o contrassenso é claro quando se leva em conta o papel essencial desempenhado pelo SUS durante a pandemia de covid-19. Reconheceu, no entanto, que a ideia de fazer parcerias com a iniciativa privada na construção de unidades básicas de saúde e unidades de pronto-atendimento passou pelo crivo do governo.

O projeto veio à tona nessa quarta-feira, por meio de decreto do presidente Jair Bolsonaro, mas foi revogado no mesmo dia, após críticas de secretários de saúde, da classe política e da sociedade civil. Porém, segundo Guedes, a proposta estava em discussão no Planalto há cerca de um mês.

O ministro contou que a ideia partiu do Programa de Parcerias de Investimento (PPI), cuja secretária, Martha Seillier, foi classificada por Guedes como uma funcionária pública séria, competente e trabalhadora. Segundo o ministro, Martha o procurou, depois de ter conversado com o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, e foi autorizada a continuar com o projeto porque há cerca de 4,5 mil unidades de saúde e 168 unidades de pronto-atendimento inacabadas no país.

Guedes argumentou que, como não há recursos para concluir essas obras, o governo permitiria à iniciativa privada de entrar com projetos para garantir a conclusão e o funcionamento dessas unidades de saúde. Concluída a obra, o governo entraria com o pagamento do atendimento da população de baixa renda. A ideia do governo seria comprar um voucher de atendimento nas unidades de saúde e entregá-los à população. "Fica mais barato para nós. Em vez de gastar fazendo a obra física, gasta em atendimento, pagando a consulta para suplementar o setor público", disse Guedes.

O ministro argumentou que essa parceria poderia ampliar o acesso à saúde, pesando menos no Orçamento. E admitiu que, por isso, tomou um susto com a repercussão negativa do projeto nesta quarta-feira. Guedes, porém, disse não ver problema em dar mais tempo para que a população e o Congresso analisem a proposta, já que ideia foi "mal compreendida e não foi entendida".
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Rhaldney Santos entrevista Dr Dimas Antunes
Argentina chora perda de Maradona
Jogadores se despedem de Maradona
Rhaldney Santos entrevista Dra Amanda López, neurocirurgiã pediátrica
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco