Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

VÍDEO

Familiares e amigos homenageiam brasileira morta em Nice

Publicado em: 31/10/2020 12:59 | Atualizado em: 31/10/2020 13:16

 (Foto: Reprodução/Vídeo)
Foto: Reprodução/Vídeo
Dezenas de amigos e de familiares participaram de um protesto, no centro de Nice (sul da França), em memória de Simone Barreto Silva - a brasileira de 45 anos morta pelo terrorista tunisiano Brahim Aouissaoui, 21, dentro da Basílica de Notre-Dame. A partir das 14h de hoje (10h em Brasília), os manifestantes marcharam em silêncio, pelas ruas da cidade da Riviera Francesa.

Vestidos de branco, carregavam flores brancas, velas e alguns balões no formato de coração. "A passeata foi tranquila, silenciosa. A polícia nos acompanhou o tempo todo, do nosso lado, porque a gente não sabia o que podia acontecer", contou ao Correio Braziliense o músico e ajudante de pedreiro Kennedy Santos Silva, 32, que conhecia Simone desde 2011.



Um dos momentos mais emocionantes do protesto ocorreu em frente à Basílica de Notre-Dame, onde Aouissaoui decapitou uma idosa de 60 anos, degolou o sacristão e golpeou Simone no abdome. Ferida gravemente, a brasileira natural de Salvador morreu a poucos metros, dentro de uma cafeteria. Diante da igreja, os amigos cantaram o Hino Nacional Brasileiro e mostraram bandeiras do Brasil. Alguns deles não conseguiram conter o choro. Pouco depois, gritaram "Queremos paz!". A mobilização contou com a cobertura de vários jornalistas e com a presença de curiosos, que registraram as cenas com o celular.

Simone vivia em Nice desde 1995, onde trabalhava como cuidadora de idosos e organizava eventos culturais. Ela tinha se formado recentemente como chef de cozinha e pretendia abrir um restaurante. Antes de morrer, a brasileira fez um pedido às pessoas que tentavam ajudá-la: "Diga aos meus filhos que eu os amo". A França encontra-se em estado de alerta máximo, depois do atentado de quinta-feira. O triplo assassinato teria sido motivado pelas caricaturas do profeta Maomé, publicadas pelo jornal satírico Charlie Hebdo, alvo de um massacre em 7 de janeiro de 2015, quando dois irmãos invadiram a redação e executaram 12 pessoas.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Enem para todos com o professor Fernandinho Beltrão ##275 Mono e dicotiledôneas
Rhaldney Santos entrevista Dr Dimas Antunes
Argentina chora perda de Maradona
Jogadores se despedem de Maradona
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco