Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

ACALENTO

Cume de monte suíço se ilumina 'como símbolo da esperança' ante pandemia

Por: AFP

Publicado em: 02/04/2020 15:49

 (Foto: Fabrice COFFRINI / AFP)
Foto: Fabrice COFFRINI / AFP

O Monte Cervino, emblemático cume na fronteira ítalo-suíça se ilumina a cada noite "como símbolo de esperança e solidariedade" nesse período de pandemia da COVID-19.

"Hope" ("Esperança", em inglês), "Solidariedade", bandeiras italianas e suíças, e outras várias imagens são projetadas no monte de quase 4.500 metros, que se assemelha a uma enorme pirâmide e cuja silhueta está representada na embalagem do chocolate Toblerone.

Essa obra, realizada pelo artista suíço Gerry Hofstetter, que transforma edifícios, monumentos e paisagens de todo o mundo em objetos de arte temporários, deve ser mantida até o próximo 19 de abril, data limite das medidas adotadas pela Suíça contra o novo coronavírus. 

"A ideia é fazer algo agradável para as pessoas de todo o mundo", explica à AFP o diretor da Secretaria de Turismo de Zermatt, Daniel Luggen.

"O Cervino é um símbolo importante para a Suíça (...) e, quando o iluminamos assim, estamos convencidos de que há esperança em nós". 

Esse monte - também conhecido por seu nome alemão, Matterhorn - é um dos grandes desafios do alpinismo, especialmente pela parte norte, que todos os anos atrai milhares de alpinistas.

Mas neste ano apenas alguns latidos de cães e o barulho de um rio quebram o silêncio do vale, sem turistas. 

Mesmo assim, as pessoas querem mostrar "solidariedade" com todas as pessoas que estão sofrendo e, por meio dessas iluminações, buscam agradecer a todos que estão ajudando a superar a crise gerada pela pandemia viral. 

- Luz e esperança -
"Luz é esperança. Portanto, se uma mensagem é feita com luz em uma situação como a que enfrentamos, a esperança pode acontecer", ressalta Hofstetter à AFP. 

"O Matterhorn esteve aqui antes da existência da humanidade. Na história, quando havia doenças, a arte reunia as pessoas para encontrar um futuro melhor. Somente a arte pode fazer isso", explica ele. 

Apesar das medidas de segurança adotadas por um em cada dois habitantes do planeta, os balanços em consequência da doença são perturbadores: mais de 13.000 mortes na Itália, 10.000 na Espanha, seguidas de 5.000 nos Estados Unidos e 4.000 na França.  

Na Suíça, 430 pessoas morreram desde que o primeiro caso foi detectado no último 24 de fevereiro. 

Diante da pandemia, o governo ordenou o fechamento de escolas, cafés, restaurantes e lojas que não são essenciais e proibiu reuniões de mais de cinco pessoas até a data de 19 de abril.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Resumo da semana: criança morre ao cair de prédio e reabertura pós-quarentena
05/06: Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Covid-19 põe indígenas amazônicos em grande risco
Covid-19: Taxa de isolamento social no Recife cai para 45%
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco