Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Últimas

Pernambuco

Casarões, capelas e cachoeiras fazem parte do turismo rural de Escada

Publicado em: 19/01/2020 14:47 | Atualizado em: 20/01/2020 18:39

Capela em Escada.  (Foto: Samuel Calado/ Esp. DP )
Capela em Escada. (Foto: Samuel Calado/ Esp. DP )

O Diario foi até Escada, na Zona da Mata Sul de Pernambuco, para desbravar o turismo rural da cidade. O município tem aproximadamente 70 mil habitantes e fica a 61 quilômetros do Recife. Ele é conhecido como “A terra dos Barões” por ter sido morada de diversos senhores. Casarões no estilo colonial contam a história de Pernambuco e chamam a atenção das pessoas. As relíquias são do século XIX e transportam os visitantes para outras épocas. 

Casarão Limoeiro Velho, em Escada.  (Foto: Samuel Calado/Esp.DP)
Casarão Limoeiro Velho, em Escada. (Foto: Samuel Calado/Esp.DP)

Entre as antigas construções, destaca-se o Casarão Limoeiro Velho, há 15 quilômetros do centro da cidade. A construção é de 1875 e pertenceu a Belmiro da Silveira Lins, o Barão de Escada. É como estar no cenário de novelas de épocas, como por exemplo, Sinhá Moça e Escrava Isaura. Segundo o pesquisador escadense Àlex Antony, a casa estava em ruínas e foi restaurada em 2017 pelo vice-prefeito da cidade de Xexéu, Noé Magalhães. “Ela foi comprada por um empresário de Serra Talhada, que a mantém conservada junto com a capela e o jardim”. 

Casa Grande de Jundiá, em Escada.  (Foto: Samuel Calado/Esp.DP)
Casa Grande de Jundiá, em Escada. (Foto: Samuel Calado/Esp.DP)

Bem próximo, estão as ruínas da Casa Grande de Jundiá, onde nasceu e viveu até os 14 anos de idade, o artista plástico Cícero Dias (1907 - 2003). Mesmo degradado, o casarão ainda se mantém imponente.

Ruínas da Casa Grande de Jundiá, em Escada.  (Foto: Samuel Calado/Esp.DP)
Ruínas da Casa Grande de Jundiá, em Escada. (Foto: Samuel Calado/Esp.DP)

A estrutura foi erguida na metade do século XIX e tinha “apenas” 25 quartos, três salas e vários banheiros. Segundo o pesquisador, a última atividade no local foi uma escola municipal, que encerrou as atividades há dez anos. 

Capela de Jundiá, em Escada.  (Foto: Samuel Calado/Esp.DP)
Capela de Jundiá, em Escada. (Foto: Samuel Calado/Esp.DP)

Poucos passos adiante está a capela da Casa Grande, onde Cícero fez a primeira comunhão. Há documentos de batismo desde 1820. Nela, estão vários jazigos. Um deles, é o do primeiro prefeito de Escada, Coronel Manoel Antônio dos Santos Dias (1838 - 1905), tio de Cícero Dias, que já foi proprietário da Usina União e Indústria e tinha forte prestígio na cidade.

Usina União Indústria.  (Foto: Samuel Calado/Esp.DP)
Usina União Indústria. (Foto: Samuel Calado/Esp.DP)

E falando em Usina, com sorte, o visitante ainda pode conhecer o processo de produção do açúcar e do álcool na Usina União e Indústria. Passando pela recepção, pelo preparo e pela moagem da cana, até o descarte consciente dos dejetos. 

Cachoeira Rasga Sunga. (Foto: Samuel Calado/DP)
Cachoeira Rasga Sunga. (Foto: Samuel Calado/DP)

Além das belezas arquitetônicas dos antigos engenhos, a cidade conta com diversas cachoeiras. São quatro, Pé de serra, Rasga Sunga, Gruta da Santa e Pirapama. E os banhos Buraco Véia, Banho do Romão, Banho do Cidadão, e as bicas do Engenho Alegria, de Gaipió e da Barra. Uma delas é a Rasga Sunga, no Engenho Matapiruma. Ela está localizada a 18,3 km do centro da cidade e conta com duas quedas d'águas encantadoras.

Cachoeira em Escada, Pernambuco. (Foto: Samuel Calado/Esp.DP)
Cachoeira em Escada, Pernambuco. (Foto: Samuel Calado/Esp.DP)

Vale reforçar sobre a importância do passeio guiado, uma vez que as estradas na zona rural de Escada são similares e não será difícil se perder nas “bifurcações”. Outra questão é o acesso às cachoeiras. Alguns pontos das vias que dão acesso às belezas naturais, como por exemplo, a Rasga Sunga, estão comprometidos. A vegetação e a falta de pavimentação atrapalham quem precisa chegar ao ponto turístico, sendo necessário uma atenção especial da gestão municipal. 

Ruínas da Casa Grande Jundiá, em Escada.  ( Foto: Samuel Calado/Esp.DP)
Ruínas da Casa Grande Jundiá, em Escada. ( Foto: Samuel Calado/Esp.DP)

O Secretário de Desenvolvimento de Escada, Klaus Lima, informou que a Prefeitura está organizando um planejamento para implantar um programa que desenvolva o turismo na cidade. “Temos uma parceria com a Faculdade de Escada e com Sebrae e estamos organizando algumas ações estratégicas para o preparo de guias”. Sobre a sinalização, o gestor reforça que está viabilizando a melhoria dessas estradas junto ao governo municipal e estadual para melhorar o acesso às belezas naturais. 

Casa Grande da Usina União Indústria, em Escada.  (Foto: Samuel Calado/Esp.DP)
Casa Grande da Usina União Indústria, em Escada. (Foto: Samuel Calado/Esp.DP)


Projeto “Turismo Rural”
 
Foi pensando em divulgar a terra natal, que o pesquisador Àlex Anthony, 25, que é um escadense apaixonado pela cidade, resolveu criar o projeto "Turismo Rural". A iniciativa realiza diversos passeios pela cidade e proporciona aos visitantes o acesso guiado aos pontos turísticos da cidade.

Capela da Usina União Indústria. Foto: Samuel Calado/Esp.DP (Esp.DP)
Capela da Usina União Indústria. Foto: Samuel Calado/Esp.DP (Esp.DP)


As excursões são divididas em rotas, são elas: Barões, Circuito das Capelas, Passos da Escravidão, Estradas Mal Assombradas, Circuito do Açúcar e Caminho das Águas. As excursões geralmente saem da Rua da Matriz, próximo ao Museu Cícero Dias por volta das 7h30. Outras informações através do número (81) 9 91156667. 

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Almir Rouche, um guerreiro da folia
O Galo da Madrugada conectando gerações
O passo a passo do Galo da Madrugada 2020
Literatura pernambucana na sala de aula
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco