Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

LIVRO

Escritor Ed Wanderley adentra mundo dos sonhos em livro de contos

Publicado em: 25/09/2021 11:00

Ao longo de nove contos, o autor aborda o mundo onírico por vários gêneros e interpretações (Foto: André Nery/Cortesia)
Ao longo de nove contos, o autor aborda o mundo onírico por vários gêneros e interpretações (Foto: André Nery/Cortesia)
Por mais universal que seja, o fenômeno dos sonhos toma diferentes interpretações a depender do viés abordado, seja científico, religioso ou psicanalítico. Porém, acima disso, pode-se dizer que, quando agradáveis, os sonhos se tornam atenuadores de uma realidade difícil. Ao menos é o que acredita o escritor e jornalista Ed Wanderley em seu novo livro Sonhos Cariocas, um compilado de contos autorais. O lançamento do título acontece em live nas redes do autor (@edwanderley), a partir das 20h, neste sábado (25), não coincidentemente, data em que é celebrado o Dia Mundial do Sonho.
 
Primeiro livro de contos do escritor, Sonhos Cariocas traz nove histórias concebidas durante a pandemia, inspiradas por um sonho que o próprio autor teve. Para abarcar as diversas facetas e impactos possíveis do mundo onírico, são utilizados também diferentes gêneros narrativos, como romance, comédia e até ficção científica. No conto Dias em déjà vu, trabalha-se um romance que só acontece na hora de dormir, quando duas pessoas se conectam por um sonho compartilhado, que depois afeta o mundo real. O autor também brinca com outros significados atribuídos à palavra “sonho” e constrói, por exemplo, uma história onde uma mulher toma uma cidade de assalto com seus doces de padaria (sonhos) e acaba tendo que se explicar à polícia.
 
O fascínio de Wanderley pelo mundo dos sonhos surgiu bem antes da concepção do livro. Ele revela já ter lido artigos e livros sobre o tema, desde os clássicos de Jung e Freud até o contemporâneo Matthew Walker, mas que não se cobrou a ter fidelidade com a base teórica. “Em alguns contos, essa influência fica muito mais evidente, no que diz respeito à repressão de desejos, como em Sesta, e à manifestação do superego, passando pelo inconsciente coletivo, no abre o livro, Coroa. A questão é que os contos aqui se propõem a explorar dilemas sem as amarras do ‘prático’ e do ‘moral’ para provocar e emocionar em diferentes níveis, de forma semelhante ao impacto que o sonhar nos traz”, explica. O objetivo principal, portanto, é simples: entreter o leitor com uma narrativa ficcional que o ajude em momentos difíceis, mesmo que apenas acelerando o tempo durante a leitura.
 
Capa do e-book Sonhos Cariocas, já em pré-venda na Amazon (Foto: Divulgação)
Capa do e-book Sonhos Cariocas, já em pré-venda na Amazon (Foto: Divulgação)
 
Sonho como resistência
Ainda que o autor seja um pernambucano vivendo em São Paulo, a evocação do termo carioca no título parte de sua visão do Rio de Janeiro como a representação da “terra dos sonhadores” no Brasil. O autor justifica isso pelo paralelo com os EUA, no qual Nova York pode até ser o centro econômico (São Paulo), mas é na Califórnia (Rio de Janeiro) que se busca o sucesso de forma mais aventuresca. Reconhecendo este maravilhamento como fruto de uma construção poética e musical ao longo de décadas, Ed afirma que, ao retirarmos esse deslumbramento da cidade, encontramos “um campo intenso de contradições sociais que vão além da dualidade pobreza e nobreza. No Rio há angústias de todo um país que sofre, mas se recusa a deixar de acreditar nas possibilidades”.
 
Essas angústias, por outro lado, parecem estar cada vez mais presentes e potencializadas no contexto atual do país. Foi buscando inspiração que o escritor teve contato com duas outras obras que relatam o poder dos sonhos em momentos de perturbação social, sendo elas: Sonhos no Terceiro Reich, da jornalista Charlotte Beradt, que documenta os sonhos alemães no período de ascensão de Hitler; e o livro Sonhos Confinados: O Que Sonham os Brasileiros em Tempos de Pandemia, um estudo coletivo realizado no período inicial do isolamento. Marcado por crises em diversos âmbitos (político, econômico, sanitário, cultural, etc), o Brasil parece ter, segundo Wanderley, no ato de sonhar um último refúgio de esperança. “Sonhos são reforços do corpo em nome de uma esperança que possa reforçar a saúde dele mesmo. Acredito que é por isso que, diante de condições subumanas e inimagináveis, ainda que históricas, houve sempre quem inspirou forças, conseguiu sorrir e ainda se disse feliz. Não é desinformação ou ingenuidade. Uma das coisas que nos distingue de outros seres é a certeza de que a vida é mais que o momento”, afirma.
 
Como forma de divulgação, o autor convidou a atriz Kátia Letícia para declamar o conto Sonhar Para Quê em vídeo promocional. Ainda que não tenha sido a intenção original, Ed comenta que outros textos acabaram tomando também um lado cênico: “nasceram pedindo para sair do papel. São textos que só precisam tropeçar para estar nos palcos”. Sonhos Cariocas já está em pré-venda na Amazon. Para quem quiser o livro físico, de 192 páginas, ele pode ser encomendado pelo site do escritor (edwanderley.com).
 
 
SERVIÇO:
Lançamento Sonhos Cariocas, de Ed Wanderley
Quando: Neste sábado (25), às 20h
Onde: No perfil do autor (@edwanderley)
Encomenda pelo site edwanderley.com
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Destaque do Náutico, meia Jean Carlos completa 100 jogos com a camisa alvirrubra
Baixas na equipe de Guedes
Trump anuncia planos para lançar nova rede social
Manhã na Clube: entrevistas com Teresa Leitão (PT), Fernandes Arteiro e José Teles
Grupo Diario de Pernambuco