Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

EXPOSIÇÃO

Museu britânico cria experiência imersiva no mundo de 'Alice no País das Maravilhas'

Por: AFP

Publicado em: 01/06/2021 10:00

Além de vários ambientes, o passeio também usa da tecnologia VR para maior imersão (Foto: V&A Museum Londres/Divulgação)
Além de vários ambientes, o passeio também usa da tecnologia VR para maior imersão (Foto: V&A Museum Londres/Divulgação)
Chapeleiro maluco, diálogos sem pé nem cabeça, um mundo que desafia as regras físicas... Para sua reabertura, o grande V&A Museum de Londres propõe ao visitante desorientado após um ano absurdo de pandemia entrar no universo de Alice no País das Maravilhas.
 
Mais de 150 anos depois, esta obra-prima da literatura britânica publicada em 1865 por Lewis Carroll - cujo nome verdadeiro era Charles Lutwidge Dodgson - continua a inspirar artistas. Numa exposição que reúne trajes teatrais, cenas de filmes, fotos, caricaturas, manuscritos originais e instalações diversas, o Victoria and Albert Museum explora "as origens, adaptações e reinvenções" desta história mítica. 
 
Já na entrada, o visitante é conduzido a uma situação difícil: para chegar à exposição, "Alice: cada vez mais curiosa", deve subir uma escada escura com setas apontando em todas as direções, representando a queda da heroína na toca do coelho, para chegar ao porão mal iluminado do museu. 
 
Um passeio marítimo vitoriano, o jardim de rosas da "Rainha de Copas", uma sala escura com o sorriso misterioso do "Gato Risonho", um tabuleiro de xadrez e, claro, a famosa mesa onde o "Chapeleiro Maluco" e a "Lebre de Março" tomam chá.
 
Segurança
Os museus ingleses começaram a reabrir ao público na segunda-feira, emergindo de um longo sono forçado pela pandemia, que matou quase 128.000 pessoas no Reino Unido. 
 
No V&A, máscaras, álcool em gel e distanciamento estão na ordem do dia. Está prevista a limpeza periódica dos pontos interativos, como o que permite jogar croquet contra a "Rainha de Copas" em realidade virtual. Embora a ideia tenha nascido antes da pandemia, esta exposição, originalmente marcada para junho de 2020, chega em um bom momento, diz a curadora Harriet Reed. 
 
Depois de um terceiro confinamento, "todos nos sentimos um pouco cansados, exaustos, sem inspiração", comentou à AFP, ao apontar no mundo imaginativo de Alice um possível remédio, graças a "sua enorme dose de otimismo e determinação".
 
Diante da pandemia, "todos podemos nos inspirar na viagem de Alice, sua teimosia e seu desejo de superar circunstâncias muito difíceis", acrescenta. Até porque, "neste momento, temos claramente a impressão de viver num mundo de loucos onde tudo está ao contrário", brinca.

A mesa de chá do Chapeleiro Maluco é uma das cenas reinventadas com a estética surrealista da obra (Foto: Daniel Leal-Olivas/AFP)
A mesa de chá do Chapeleiro Maluco é uma das cenas reinventadas com a estética surrealista da obra (Foto: Daniel Leal-Olivas/AFP)
 
Influência
Dividida em cinco partes, a mostra primeiro analisa as origens do romance e a influência da sociedade vitoriana em seu mundo, antes de passar para as adaptações cinematográficas de Alice.
 
Inclui trechos do famoso desenho animado de Walt Disney e do filme de Tim Burton, bem como o primeiro filme mudo sobre a heroína e uma infinidade de animes japoneses inspirados nela. 
 
As três últimas seções tratam da influência do personagem no surrealismo e nos anos 1960 - com uma edição original do clássico ilustrado por Salvador Dalí - , a transposição do mito em balés e peças, e o "fascínio contemporâneo" de Alice por meio de múltiplas reinvenções.
 
A exposição "tenta responder" à pergunta "impossível" de por que Alice continua a inspirar tanto depois de mais de um século, diz Reed.  "É em grande parte devido ao caráter forte da heroína", acredita, elogiando a "incrível determinação e coragem" do personagem que se tornou "icônico". Alice "é forte o suficiente para enfrentar a autoridade e lutar pela justiça", acrescenta. 
 
Em sua peça favorita, um espetáculo encenado por sufragistas do Reino Unido, essas ativistas voltaram à personagem de Alice para convencer as mulheres a exigirem o direito de voto. Na opinião de Reed, "Alice é um símbolo do empoderamento e emancipação feminina".
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Protesto em Brasília acaba com conflito entre indígenas e policiais
Manhã na Clube: entrevistas com Carlos Veras, Sérvio Fidney e Marcel Costi
Vacina contra a Covid-19 criada em Cuba tem eficácia de 92%
Pontos fundamentais para fazer uma transição de carreira
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco