Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

DNA

Teste de ancestralidade vira alternativa de resgate em país marcado por apagamento

Publicado em: 30/05/2021 17:05 | Atualizado em: 03/06/2021 23:57

 (Arte: Silvino/DP)
Arte: Silvino/DP

O Brasil é um país de paradoxos. Ao mesmo tempo em que se exalta a diversidade étnica que formou a nossa identidade cultural, as violências do processo de colonização resultaram em um gigante vácuo sobre informações de ancestralidade. Talvez sejam essas duas características - diversidade e vácuo de informações - que expliquem a popularização dos testes de ancestralidade no país nos últimos anos como uma tentativa de resgate cultural. O serviço, que no passado poderia parecer técnica de ficção, já é uma realidade por aqui desde o começo da última década.

A tecnologia da genômica pessoal é baseada em uma leitura de milhares de pontos do DNA de uma pessoa, que será comparada com dados genéticos de indivíduos ao redor de todo o mundo pelos últimos 400 anos. O resultado traz percentuais de predominância dos continentes, incluindo detalhamentos de algumas regiões. "O termo 'genômica' pessoal surgiu para o indivíduo conhecer melhor como funciona o seu DNA", diz Ricardo di Lazzaro Filho, médico e sócio-fundador da Genera, primeiro laboratório brasileiro especializado nessa área.

"No começo, fazíamos testes de paternidade ou intolerância à lactose. Em 2014, começamos a investir nessa investigação mais complexa, pois fomos percebendo uma maior busca por esses testes. As pessoas começaram a discutir mais a questão da ancestralidade", conta. "O Brasil teve uma história dolosa de apagamento da origem da maior parte da população, então percebemos uma sensação de descoberta nos resultados. É super bacana, por exemplo, quando alguém descobre que a maior porcentagem vem da África e comemora por isso".

Ricardo di Lazzaro Filho, médico e sócio-fundador da Genera (Foto: Genera/Divulgação)
Ricardo di Lazzaro Filho, médico e sócio-fundador da Genera (Foto: Genera/Divulgação)

Lazzaro Filho ressalta ainda que existe um fator de surpresa, pois muitas vezes a cor da pele não diz exatamente qual é o continente predominante. "Estamos sempre melhorando o teste, pois a base de dados está sempre crescendo, o que aumenta a assertividade. Caso aceitem, as pessoas também podem fazer parte de um banco de dados para encontrar pessoas com DNAs semelhantes. Podem ser parentes próximos ou primos distantes", diz o médico. Para realizar o teste, é necessário solicitar um kit de coleta no site do laboratório.

Kaká Rodrigues, 39, é uma das líderes do comitê de igualdade racial do grupo Mulheres do Brasil e decidiu fazer quando começou a trabalhar com diversidade. "Sou filha de uma casal interracial, minha mãe tem pele clara e meu pai é preto. Eu não tinha muitas informações sobre os meus ancestrais, só até os meus avós. Ninguém que é filho de preto no Brasil tem um conhecimento amplo sobre árvore genealógica”, diz.

"Quando recebi o resultado, fiquei bastante chocada, até um pouco decepcionada por esperar um percentual alto do continente africano. A maior parte do meu DNA é europeu, cerca de 51%, sendo 25% da Itália e 9% da Ibéria. O da África soma 30%, sendo 14% do Oeste e 9% da Costa da Mina”, explica. "O que mais me chamou a atenção foi isso, pois eu nunca soube de ninguém com descendência italiana na família."
  
Kaká Rodrigues e Mariana Lins fizeram o teste para conhecer mais sobre os ancestrais (Foto: Cortesia)
Kaká Rodrigues e Mariana Lins fizeram o teste para conhecer mais sobre os ancestrais (Foto: Cortesia)

A jornalista e pesquisadora pernambucana Mariana Lins também realizou o teste por ter pouquíssimas informações sobre a sua árvore genealógica, embora soubesse que suas famílias materna e paterna eram naturais do Sertão de Pernambuco. "A curiosidade aumentou depois que morei na Espanha e tive a minha nacionalidade questionada o tempo inteiro. Eles falavam como se fosse um elogio e isso me incomodava. Diziam que eu ‘não era escura’ ou ‘tinha um corpo muito alto’ para ser brasileira. Eu fiz o teste para entender certas tendências, interesses e afinidades", explica.

O resultado a surpreendeu: cerca de 80% do seu DNA tem origem europeia, com 10% da África e cerca de 7% das Américas. "Eu me surpreendi porque o meu avô materno era negro, então achei que os marcadores viessem em maior quantidade", diz. "Quando fui analisar os 80%, vi que cerca de 34% eram da região Ibérica. Isso para mim fez todo o sentido, porque explicou minha afinidade com a Espanha. Eu sempre tive uma conexão forte com esse país, mas nunca entendi muito bem. Quando eu fui morar lá, era como se estivesse voltando para casa. O teste me deu uma ideia de ancestralidade".

Marcas do racismo
O professor de história e mestrando em filosofia pela UFPE Salviano Feitoza aponta um momento que pode ser considerado fundamental no vácuo sobre a ancestralidade: quando Rui Barbosa ordenou que fossem queimados os documentos que davam conta das origens de africanos e africanas que foram sequestrados para o Brasil.

"Esse ato tinha um duplo objetivo: impedir a reivindicação de indenizações por parte de quem foi escravizada e escravizado (ou mesmo de seus descendentes) e de garantir o apagamento da contribuição, da participação da população africana na composição da sociedade brasileira, uma vez que naquele momento o país vivenciava a busca por embranquecimento."

Apesar da queima de arquivos ter atingido mais os registros dos afrodescendentes, Salviano também ressalta que o apagamento também atinge todos os grupos sociais que não foram privilegiados pela escravização de outros. "Uma observação mais atenciosa revela isso: as histórias narradas em livros didáticos, os nomes de ruas, praças, os monumentos exaltados, tudo isso revela a atenção dada a grupos específicos e o apagamento de outros", diz.

"Quando se observa os nomes que são lembrados, as árvores genealógicas que podem ser feitas em oposição ao nomes que não foram registrados e a ancestralidade que não se conseguem reconstituir, é que se pode ter a dimensão do racismo e do capitalismo na construção do que é chamado de um país abençoado por deus e bonito por natureza", finaliza.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Túlio Gadêlha, Beatriz Paulinelli e Guilherme Maia
Advogado de enfermeira afirma que Maradona foi morto
Manhã na Clube: entrevistas com Décio Padilha, Adriana Barros e Roseana Diniz
Para evitar contaminação por Covid, robôs oferecem água benta em Meca
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco