Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

INCENTIVO

Pesquisador da Fundaj ganha Prêmio Lélia Gonzalez

Publicado em: 07/04/2021 13:12

 (Foto: Andrea Rego Barros/Divulgação)
Foto: Andrea Rego Barros/Divulgação

O pesquisador Carlos Augusto Sant'Anna Guimarães, do Centro de Estudos de Cultura, Identidade e Memória (Cecim), da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), está entre os nomes reconhecidos pelo Prêmio Lélia Gonzalez de Manuscritos Científicos sobre Raça e Política. Promovido pela Associação Brasileira de Ciência Política (ABCP) em parceria com o Nexo Políticas Públicas e com o Instituto Ibirapitanga, e com apoio da Fundação Tide Setubal e da Open Society Foundations, o prêmio incentiva o trabalho de pesquisadoras e pesquisadores pretos (as) e pardos (as) sobre temas como desigualdades e expressões políticas. A cerimônia de premiação ocorre nesta quinta-feira (7), às 17h, no canal da Nexo Jornal.

Com o título A Política da política de promoção da igualdade racial, Carlos Sant'Anna aborda a formação e  coalizões de defesa da Política de Promoção da Igualdade Racial. Para o pesquisador, há diferenças na constituição e no desempenho destas coalizões em pastas como educação e saúde. "Enquanto na saúde, organizada sob a égide do SUS, as ações obedecem às diretrizes do Ministério da Saúde, na Educação, dado seu mais grau de liberdade institucional, a política depende das políticas institucionais no plano local", observa.

Como prêmio, o pesquisador receberá doação em dinheiro, ao longo de dez meses, para subsidiar a conclusão de sua pesquisa, assim como a divulgação e posterior publicação acadêmica. "Ser agraciado por um prêmio cuja patrona é Lélia Gonzalez é ainda mais gratificante. Lélia foi uma intelectual, professora, militante do movimento negro e feminista no Brasil e pesquisadora das questões raciais. O que aumenta as responsabilidades dos premiados", conta Sant'Anna.

Mineira, Lélia Gonzalez (1935 - 1994) foi pioneira nas discussões sobre relação entre gênero, classe e raça no mundo. Co-fundadora do Movimento Negro Unificado e do Olodum, ela participou das discussões que formaram a Constituição de 1988. Formada em História e Filosofia, Lélia escreveu Lugar de negro (Marco Zero, 1982). "Será preciso muita investigação no campo das ciências sociais para que possamos desvelar os processos de como a raça opera na produção e reprodução das desigualdades sociais. Isto é o que interessa", conclui.

SERVIÇO
Prêmio Lélia Gonzalez
Quando: 8 de abril, às 17h
Onde: transmissão no Canal da Nexo Jornal no YouTube
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
A Justiça está realmente cuidando das crianças no centro de disputas familiares?
Cacique Raoni pede ao presidente dos EUA que ignore Jair Bolsonaro
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 16/04
Carta aberta pede quebra de patentes de vacinas de Covid-19
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco