Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

CARNAVAL

Lives carnavalescas são surpreendidas por pronunciamento do Governo de PE

Publicado em: 11/02/2021 19:46 | Atualizado em: 11/02/2021 21:38

O Elefante de Olinda havia programado uma live no domingo, com orquestra do Maestro Oséas (Foto: Paço do Frevo/Divulgação)
O Elefante de Olinda havia programado uma live no domingo, com orquestra do Maestro Oséas (Foto: Paço do Frevo/Divulgação)

A coletiva de imprensa virtual do Governo de Pernambuco da última quinta-feira (10) trouxe uma informação que pegou de surpresa parte da classe artística que se preparava para realizar transmissões ao vivo durante o carnaval pandêmico. O secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, revelou que cada live deve reunir apenas 10 pessoas. "Tinham lives programadas para ocorrer com 40 ou 50 pessoas e depois não se teria um controle sobre a área externa desses locais", argumentou ele, que ainda citou os artigos 268 e 330 do código penal brasileiro - que abordam sobre punições para quem infringir determinação do poder público e desobedecer a ordem legal, respectivamente.

Blocos tradicionais do carnaval pernambucano, como Homem da Meia-Noite, Elefante, Boi da Macuca, Cariri e Pitombeira, programaram lives beneficentes e foram pegos de surpresa, já que as transmissões demandam de diversos profissionais e foram pensadas com a participação de orquestras de famosos maestros do estado. Entre os citados, o Cariri, que está completando 100 anos, optou por cancelar a live. "Cancelamos pela posição do governo. Respeitamos a preservação da vida, mas não aceitamos esse posicionamento tão tardio. Eles tinham o conhecimento de que as agremiações estavam se preparando”, diz Hilton Santana, diretor de comunicação da agremiação. 

Por conta do pronunciamento, o Homem da Meia-Noite irá gravar as apresentações respeitando os protocolos e exibirá no mesmo horário programado (23h do sábado). A live do Galo da Madrugada já havia sido gravada no dia 8 de fevereiro, no Forte de Cinco Pontas, e será exibida na manhã do sábado (13). A transmissão do festival Rec-Beat também foi gravada antecipadamente no Recife e em São Paulo e será exibida no domingo (14), a partir das 15h.

Procuradas pela reportagem, as demais agremiações citadas se dividem entre estudar se vão apostar em novos formatos, analisar a questão juridicamente ou insistir no diálogo com representantes do governo para reverter a decisão. Algumas admitem que o caminho mais provável é o do cancelamento.

Juliana Serretti, que integra a diretoria do Clube Carnavalesco Misto Elefante de Olinda, afirma que "as agremiações estão se sentido desrespeitadas". "Nós do Elefante anunciamos a live por ser uma forma interessante de arrecadar recursos para trabalhadores da cultura que estão em uma situação de vulnerabilidade muito grande, alguns deles não foram contemplados pela Lei Aldir Blanc", diz.

Serretti, que é advogada, afirma que a proibição da concentração de pessoas no mesmo ambiente em um número superior a 10 já foi mencionada no artigo 14 do decreto estadual Nº 49055, de 31 de maio de 2020. Ela ressalta, no entanto, que no artigo 13 desse mesmo decreto consta que "permanecem autorizadas em todo o estado de Pernambuco as atividades culturais de cinema, teatro e demais eventos de cultura, observada a limitação de 50% (cinquenta por cento) da capacidade do ambiente e com no máximo 150 (cento e cinquenta) pessoas". Neste caso, as lives poderiam ser consideradas "eventos de cultura"”. 

Ela também comenta que, na última terça-feira (9), o Ministério Público de Pernambuco enviou um ofício ao secretário Pedro Eurico para que algumas vedações estabelecidas para impedir a realização do carnaval não valessem para as lives que atendessem às restrições sanitárias previstas. As informações foram confirmadas pela reportagem. "Todo esse contexto criou uma insegurança jurídica. Se a gente peita, somos o elo mais fraco. Ele disse na live que haverá perseguição criminal. É muito complicado criminalizar as agremiações. A gente não está entendendo nada", diz Juliana Serretti. 

A cantora Bia Villa-Chan e o músico César Michiles divulgaram uma nota opinando que a decisão foi "arbitrária e intempestiva". "Quem é do setor sabe que essa quantidade pode inviabilizar diversas transmissões, inclusive as que já estão marcadas, pois as lives demandam diversos tipos de profissionais na atualidade. Isso ocorre pois esse modelo ganhou uma nova dimensão na pandemia, se tornando uma das principais alternativas na difusão da arte e no sustento de muita gente", diz o texto.

Eles ainda argumentam que a medida foi anunciada na "semana do carnaval e sem diálogo com artistas." "Além disso, em junho vivíamos uma alta de casos e foram realizadas diversas lives de São João, sem restrições dessa ordem. Para este carnaval atípico, os governantes poderiam, por exemplo, ter ajustado termos de conduta junto ao Ministério Público, firmando compromissos e regras sanitárias", continua.

"O governo deveria ser mais compreensível e ter mais respeito aos agentes de cultura de Pernambuco. Somos nós que levamos a cultura e os ritmos do estado para o mundo. O policiamento deveria ser realizado nas ruas e não nas plataformas digitais. Vivemos em uma democracia e solicitamos uma reunião para sermos ouvidos. Empatia e Respeito", completa o comunicado de Bia e César.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Com 93% de taxa de ocupação de UTIs, Pernambuco decreta mais restrições
De 1 a 5: saiba qual é seu perfil profissional e como tirar o máximo proveito dele
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 01/03
Doença da urina preta: síndrome rara pode levar à UTI
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco