Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

LITERATURA

Livro de Silviano Santiago reflete sobre obras de Machado de Assis e Graciliano Ramos

Publicado em: 07/12/2020 13:39

 
O escritor, ensaísta e crítico literário Silviano Santiago lança livro Fisiologia da composição. (Foto: Divulgação)
O escritor, ensaísta e crítico literário Silviano Santiago lança livro Fisiologia da composição. (Foto: Divulgação)
 
A apreensão do mais amplo significado da liberdade humana no processo de criação literária. É assim que o escritor, ensaísta e crítico literário Silviano Santiago explica o propósito do livro Fisiologia da composição - Gênese da obra literária e criação em Graciliano Ramos e Machado de Assis, um compilado de ensaios sofisticados e inovadores sobre obras de dois dos mais importantes autores brasileiros. Silviano, vencedor de três prêmios Jabuti (1982, 1993 e 2017), um Machado de Assis (2013) e um Oceanos (2015), desenvolveu uma narrativa que tem como princípio a ideia da tematização do corpo do autor como algo a ser analisado na literatura - por isso o uso do termo "fisiológico".

A obra será lançada num bate-papo virtual entre o autor e o editor Schneider Carpeggiani nesta segunda-feira (07), às 19h, no canal da Cepe no YouTube. O livro é o terceiro de Santiago lançado pelo selo Suplemento Pernambuco, da Cepe, todos editados por Carpeggiani. O primeiro foi Genealogia da ferocidade (2017), que mostrou como a crítica tentava domesticar a "monstruosidade" de Graciliano Ramos, seguido por Uma literatura nos trópicos (2019), relançamento do clássico de 1978 que pensava a identidade latina fora das perspectivas colonialistas.

Fisiologia da composição tem como objeto de estudo as obras Memórias póstumas de Brás Cubas e Esaú e Jaco, de Machado de Assis, e Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos. Em relação a Machado, o ensaísta aborda o conceito de defunto autor, uma espécie de autor sem corpo. Ele destaca que Machado sempre trouxe para seus romances personagens que apresentam males físicos, como herpes ou síncopes, problema que ele mesmo sofria em crises epiléticas e desmaios. A tematização do corpo também é ressaltada em Ramos, sobretudo uma ideia de prisão, com o conceito forma-prisão, usado para divagar por ideias de perspectivas de liberdade, o corpo do prisioneiro e o corpo do escritor latinoamericano. Graciliano, inclusive, também é alvo de Em liberdade (1981), outro livro de Santiago.

"Graciliano Ramos e Machado de Assis são duas obsessões constantes na obra de Silviano", diz Carpeggiani. "E ao voltar para esses autores, justamente no momento em que o seu primeiro grande romance, Em liberdade, completa 40 anos, com Fisiologia da composição Silviano Santiago mostra porque é um dos nossos ensaístas mais inovadores." Santiago usa o conceito de "composiçã" tal como expresso no ensaio clássico de Edgar Allan Poe, The philosophy of composition (1846), que apontava para uma análise do poema, do romance ou do conto "passo a passo, até completar-se, com a precisão rígida de um problema matemático".

"O estudo da composição será a estrada real que, se percorrida analítica e metodologicamente, nos levará ao conhecimento do corpo presente, realmente presente e livre, na gênese e na criação da obra literária. Na sua composição, o corpo do autor se abre à curiosidade intelectual e ao interesse analítico do leitor", reflete Silviano Santiago, na introdução. "Pretendo operar a análise de romance, do romance brasileiro moderno, através do significado que o termo homologia ganhou na teoria dos conjuntos e na biologia (também na crítica literária de fundamento linguístico). Detecta-se a relação homológica pela observação e a análise na semelhança de origem e de estrutura entre órgãos ou partes de organismos diversos", registra, em outro texto.

"Refazer os bastidores da criação literária e o percurso acadêmico como linhas paralelas que se encontram revela-se inusitado se inserido no atual momento da literatura brasileira", diz Eneida Maria de Souza, professora titular de teoria da literatura na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). "O relato de obra e vida estampado neste livro de Silviano Santiago encena a homologia entre escritor e crítico, vocação ficcional de tornar o ensaio teórico em ‘grafia-de-vida’, sem romper com o distanciamento autoral. O livro reforça a leitura do corpo como metáfora, no intuito de revitalizar procedimentos escriturais presentes tanto nas obras revisitadas quanto na enunciação narrativa do ensaio", encerra.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Em Cúpula do Clima, Bolsonaro promete neutralidade de carbono até 2050
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 22/04
Após polêmicas, Superliga Europeia é suspensa
Família Floyd volta a respirar: policial é condenado pela morte de homem negro
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco